Sob luz da inspiração, samba de Ivone Lara combate a tristeza com amor e esperança

Ivone nasceu no Rio de Janeiro e fez sambas com a influência da escola Império Serrano, tradicional agremiação carnavalesca da cidade, mas as melodias por vezes nascidas de contracantos desconheciam fronteiras. A cadência bonita podia vir da Bahia, como em Roda de samba para Salvador (1982), ou expor o elo matricial com a África, evidenciado em Rainha Quelé (1985), samba em que Ivone e Délcio exaltaram a majestosa Clementina de Jesus (1901 – 1987), sambista da mesma linhagem nobre de Ivone. Em qualquer canto, contudo, Ivone se sabia querida, tendo cantado a felicidade de ser amada nos versos de Nos combates desta vida (1983), outra pérola do baú com Délcio Carvalho, lapidada na voz de Beth Carvalho, cantora que sempre valorizou a obra de Ivone Lara.

Deixe uma resposta