Em disco, grupo vocal OuroBa alinha 44 cantos afro-brasileiros em iorubá


Exposta na capa da edição em CD do primeiro álbum do sexteto vocal OuroBa, a expressiva foto de Louise Botkay é a mais perfeita tradução do disco desse grupo que entrou em cena em setembro de 2014 na cidade do Rio de Janeiro (RJ). O álbum OuroBa alinha, em 17 faixas, nada menos do que 44 cânticos de candomblé – alguns subdivididos em dois ou três movimentos – cantados na língua iorubá por Célia Vaz, Dalmo Medeiros (integrante da atual formação do MPB4), Kika Tristão (ex-Be Happy), Marianna Leporace (uma das vozes do Folia de 3), Symo (ex-BR6) e Vicente Nucci.


Quatro desses cânticos africanos já tinham sido apresentados ao vivo pelo OuroBa em dezembro de 2014 na primeira apresentação oficial do grupo vocal, feita dentro da programação da Mostra Festa da Língua – Cultores e Cantares da Língua Portuguesa, no Rio de Janeiro (RJ), cidade natal do sexteto.


A costura do repertório do disco foi alinhavada com a supervisão do babalaô Pai Marcos de Jagum, autor dos textos sobre os orixás reproduzidos no encarte da edição em CD de OuroBa, álbum viabilizado pelo produtor Tilo Ploger. Com o reforço da percussão de Zero, os vocalistas Célia Vaz, Dalmo Medeiros, Kika Tristão, Marianna Leporace, Symo e Vicente Nucci se alternam nos solos e nas criações dos arranjos do disco.


No registro fonográfico do OuroBa, alguns cânticos caem no suingue, como mostram as gravações dos Cânticos de Oyá, criados para louvar Iansã, e de Nanã Burucô, terceiro movimento dos Cânticos de Nanã. A beleza das vozes, perceptível tanto nos solos quanto nos cantos em uníssono, valoriza o disco, gravado com adesões eventuais de músicos como Rodrigo Campello, cujo toque do violão é ouvido nos Cânticos de Yemanjá. Admiradores de cantoras identificadas com esse repertório de origem africana deverão reconhecer temas como os Cânticos de Oxum, já registrados em disco de Fabiana Cozza, para citar somente um exemplo.


Editado de forma independente, o álbum OuroBa ajuda a perpetuar de forma harmoniosa esses temas da tradição religiosa afro-brasileira que atravessaram séculos e continentes.


(Crédito da imagem: OuroBa em foto de divulgação. Capa do álbum OuroBa. Foto de Louise Botkay)

Deixe uma resposta