Tim Bernardes: como o vocalista do Terno transformou solidão e fim da juventude em um dos discos mais elogiados do ano

Talvez uma música com os mesmos timbres, a mesma melodia e uma letra meio maluca no Terno não fisgue alguém assim. É um disco bem indie, no sentido de buscar uma sonoridade, ter um conceito, mas eu acho que é o disco mais pop que eu já fiz, pelo assunto universal, que qualquer pessoa, independentemente de estilo musical, classe social ou coisa assim, vai entender o sentimento. É um disco de sentimento, emocional.

Deixe uma resposta