Três álbuns relevantes do Quarteto em Cy ganham reedições (digitais)


Para frustração dos colecionadores de discos em formatos físicos, a gravadora Universal Music abortou há alguns anos o projeto de relançar álbuns do grupo Quarteto em Cy na série Tons. Para quem ouve e compra música em plataformas digitais, no entanto, resta o consolo de saber que três álbuns do grupo – cujas origens remontam ao fim da década de 1950, na Bahia – estão sendo repostos em catálogo em edições digitais por essa companhia fonográfica detentora dos valiosos acervos das gravadoras Forma e Philips. Os títulos selecionados são Quarteto em Cy (Forma, 1964), Antologia do samba canção (Philips, 1975) e Querelas do Brasil (Philips, 1978).


Quarteto em Cy é o primeiro álbum do grupo cuja formação original incluía as irmãs Cybele (1940 – 2014), Cylene, Cynara e Cyva. Compositor ainda iniciante, Edu Lobo estava no repertório com duas parcerias com Ruy Guerra, Reza e Resolução. Sérgio Ricardo também assinava duas músicas no disco, Barravento e Enquanto a tristeza não vem. No álbum Quarteto em Cy, as garotas da Bahia, como as cantoras ficariam conhecidas no exterior, também refizeram Caminho de pedra (Antonio Carlos Jobim e Vinicius de Moraes, 1958).


No segundo título (em ordem cronológica) do pacote, Antologia do samba canção, o Quarteto em Cy pôs o olho no retrovisor para revisitar clássicos do gênero musical que foi uma das principais trilha sonoras do Brasil dos anos 1950. O grupo alinhou medleys com sambas-canção de compositores que são ou foram finos estilistas do gênero, casos de Antonio Maria (1921 – 1964), Ary Barroso (1903 – 1964), Garoto (1915 – 1955), Herivelto Martins (1912 – 1992), Johnny Alf (1929 – 2010), o então recentemente falecido Lupicínio Rodrigues (1914 – 1974) e Tito Madi. Detalhe: a Antologia do samba canção ganharia segundo volume em 1976.

Por fim, há Querelas do Brasil, um dos títulos mais importantes da discografia do Quarteto em Cy. Neste álbum, que seguiu a linha politizada do anterior Resistindo (Philips, 1977), o grupo deu vozes ao lamento de Angélica (Chico Buarque e Miltinho), lançou o samba-título Querelas do Brasil (Maurício Tapajós e Aldir Blanc), experimentou Sapato velho (Mu Carvalho, Claudio Nucci e Paulinho Tapajós) – música que ficaria conhecida na voz do então ainda embrionário grupo carioca Roupa Nova – e uma das composições mais obscuras do cancioneiro de Caetano Veloso, Não posso me esquecer do adeus.


(Créditos das imagens: capas dos álbuns Quarteto em Cy, Antologia do samba canção e Querelas do Brasil)

Deixe uma resposta