EP indica que Lulu vai do rock ao pop de FM no álbum em que celebra Rita


Disponível nas plataformas digitais a partir de hoje, 6 de outubro de 2017, o Lulu Santos EP (Universal Music) adianta quatro das 11 faixas de Baby baby!, álbum em que o cantor e compositor carioca aborda o repertório de Rita Lee, artista paulistana cuja obra é uma das matrizes do rock made in Brasil. O EP sinaliza que Lulu canta Rita em tons variados que transitam pelo rock, pelo pop retrô das FMs dos anos 1970, pela latinidade e pelo tecnopop sem deixar de soar contemporâneo e de soar como Lulu.


Mamãe natureza (Rita Lee, 1974) abre o EP, demarcando o território do rock desbravado por Rita em carreira solo desde meados da década de 1970. Só que o rock tem o toque próprio de Lulu, com certo suingue, divisão singular e acento country evidenciado por volta do terceiro minuto da gravação. Na sequência, Desculpe o auê (Rita Lee e Roberto de Carvalho, 1983) atualiza o tom tecnopop dessa balada pop pacificadora das brigas conjugais com direito ao típico toque havaiano de guitarra de Lulu.


Baila comigo (Rita Lee, 1980) preserva a latinidade da música e até acentua essa latinidade na segunda metade da gravação, mas a aceleração do ritmo dilui a ambiência zen que faz parte da gênese da música. Fechando o EP, Fuga nº II (Arnaldo Baptista, Rita Lee e Sérgio Dias, 1969), música do repertório d’Os Mutantes, escapa do universo particular do grupo que projetou Rita no universo pop nacional nos anos 1960 e se transforma em elegante pop retrô AOR que poderia tocar nos programas de flashback das FMs.


Enfim, o EP indica que Lulu canta Rita no álbum Baby baby! sem anular a própria e forte personalidade artística.


(Crédito da imagem: capa do Lulu Santos EP. Foto de Leo Avesa)

Deixe uma resposta