Drag queens: a história da arte por trás de homens vestidos de mulher

” Os gays, em seus processos históricos de construção de personalidade, sofreram bastante repressão em seus espaços de sociabilidade: família, escola, mercado, relacionamentos amorosos, etc. Os gays afeminados acumulam ainda mais formas de discriminação, uma vez que as normas de gênero praticamente inferiorizam o homem que apresentar trejeitos e modos de se expressar femininos. Em países como os Estados Unidos e o Brasil, muitos gays se organizavam nos circuitos culturais de boates, festas privadas e outros tipos de eventos para brincar com os papeis de gênero. Além de suavizar o peso do estigma em suas concepções de sujeito, passaram a se tornar importantes espaços de profissionalização, pelo viés da arte.”, explica Jo Fagner, professor da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte e pesquisador sobre relações de gênero, culturas e políticas da sexualidade.

Deixe uma resposta