Álbum ‘Meu segredo’ revela inéditas do baú autoral do violonista Mutinho


Em 27 de agosto de 1974, o violonista e compositor Mutinho estava em bar do centro da cidade do Rio de Janeiro (RJ) quando recebeu a notícia da morte do compositor gaúcho Lupicínio Rodrigues (1914 – 1974). Mutinho demonstrou calma, mas logo subiu para o hotel onde estava morando, pegou o violão e deixou aflorar a tristeza na forma da composição de uma melodia. Na sequência, foi para o quarto onde estava o compositor carioca Vinicius de Moraes (1913 – 1980), falou para o poeta da tristeza sentida com a notícia e mostrou a melodia, prontamente letrada por Vinicius. Nasceu ali, entre quartos de hotel, Acalanto para embalar Lupicínio, música que somente ganha a primeira gravação 43 anos após a criação.


Acalanto para embalar Lupicínio é uma das 15 músicas que compõem o repertório autoral de Meu segredo (Kuarup), primeiro álbum de Mutinho, que vem a ser sobrinho do compositor de sucessos como Nervos de aço (1947) e Vingança (1951). O CD Meu segredo chega ao mercado fonográfico 40 anos após o único disco lançado por Mutinho, um compacto duplo editado em 1977 com músicas como Meu Panamá, composição lançada na voz de Toquinho em disco italiano de 1976 e ora regravada pelo autor em Meu segredo.


Nascido em 1941 em Porto Alegre (RS), com o nome de Lupicínio Moraes Rodrigues, o violonista e compositor adotou o nome artístico de Mutinho. Foi com esse nome que abriu e desenvolveu parceria com o citado Toquinho. Não por acaso, Toquinho é o convidado e parceiro de Mutinho na música-título do disco, Meu segredo. Composição que permaneceu inédita em disco, Meu segredo foi a primeira música feita por Mutinho com Toquinho.


Disco nascido em 2012, a partir de convite feito a Mutinho pelos produtores Bruno de la Rosa e Marcos Alma, Meu segredo desvenda e documenta parte da produção autoral do artista. No processo de gestação e gravação do disco, Wagner Amorosino se juntou a Bruno e a Marcos, formando o trio de produtores de Meu segredo.


Com capa que expõe Mutinho no traço do ilustrador Elifas Andreato, o álbum tem repertório selecionado de modo a priorizar músicas menos conhecidas da obra autoral do artista. Famosa parceria de Mutinho com Toquinho, Escravo da alegria (1980), por exemplo, não figura nesse repertório, cedendo espaço para composições inéditas como a valsa Sonho de Heloísa, parceria de Mutinho com o amigo de infância Carlos Chagas, e como Estrela dourada (de Mutinho com o filho Marcio Mutalupi).


(Crédito da imagem: capa do álbum Meu segredo. Mutinho em ilustração de Elifas Andreato)

Deixe uma resposta