Lobão ‘reabilita’ Arantes como roqueiro em antologia dos anos 1980


Canção apresentada pelo cantor e compositor paulistano Guilherme Arantes no festival MPB-Shell 81, com grande aceitação popular, Planeta água (1981) é a maior surpresa da seleção de repertório do disco gravado por Lobão com sucessos do rock brasileiro dos anos 1980. Embora tenha começado a carreira fonográfica em 1974 como integrante do grupo de rock progressivo Moto Perpétuo, Arantes teve a obra progressivamente dissociada do rock no momento em que iniciou carreira solo, em 1976, e que passou a ser cultuado como um dos principais arquitetos do pop brasileiro radiofônico.


Cantor, compositor e músico carioca cuja trajetória profissional também foi iniciada na década de 1970, Lobão de certa forma reabilita e avaliza Arantes como roqueiro ao incluir Planeta água entre as 24 músicas da antologia inspirada pelo recém-lançado livro Guia politicamente incorreto dos anos 80 pelo rock (2017).


Aliás, o disco incluiria originalmente 25 músicas, e não 24, mas o artista teve negada a autorização para regravar Surfista calhorda (Heron Heinz e Carlos Gerbase, 1986), sucesso da banda gaúcha Os Replicantes, por ter adulterado verso da letra.


O repertório selecionado por Lobão abrange período que vai de 1980 a 1989 e prioriza sucessos. O único lado B é uma música de autoria do próprio Lobão, Esfinge de estilhaços, lançada pelo cantor no álbum Cuidado! (1988). Eis, em ordem cronológica, as 24 músicas que estarão no álbum que Lobão pretende lançar em dezembro deste ano de 2017 nos formatos de vinil duplo, CD e em edição digital:


1. Ôrra meu (Rita Lee, 1980)

2. Planeta água (Guilherme Arantes, 1981)

3. Vítima do amor (Evandro Mesquita, 1982)

4. Nosso louco amor (Júlio Barroso e Herman Torres, 1983)

5. Certas coisas (Lulu Santos e Nelson Motta, 1984)

6. Eu não matei Joana D’Arc (Marcelo Nova e Gustavo Mullen, 1984)

7. Geração coca-cola (Renato Russo, 1985)

8. Leve desespero (Fê Lemos, Flávio Lemos, Dinho Ouro Preto e Loro Jones, 1985)

9. Louras geladas (Paulo Ricardo e Luiz Schiavon, 1985)

10. Primeiros erros (Chove) (Kiko Zambianchi, 1985)

11. Nós vamos invadir sua praia (Roger Moreira, 1985)

12. Núcleo base (Edgard Scandurra, 1985)

13. Até quando esperar (Philippe Seabra, Gutge e André X, 1986)

14. Dias de luta (Edgard Scandurra, 1986)

15. Toda forma de poder (Humberto Gessinger, 1986)

16. Pânico em SP (Clemente Nascimento, 1986)

17. Eu sei (Renato Russo, 1987)

18. Virgem (Marina Lima e Antonio Cícero, 1987)

19. Esfinge de estilhaços (Lobão, 1988)

20. Quase um segundo (Herbert Vianna, 1988)

21. Somos quem podemos ser (Humberto Gessinger, 1988)

22. O tempo não para (Arnaldo Brandão e Cazuza, 1988)

23. Lanterna dos afogados (Herbert Vianna, 1989)

24. Azul e amarelo (Lobão, Cazuza e Cartola, 1989)


(Crédito da imagem: Lobão em foto de divulgação de Anatole Kaplouch)

Deixe uma resposta