De Bebê Johnson’s a ‘Breaking Bad’: ativistas que tentam mudar a imagem da deficiência na mídia contam vitórias

O anúncio mostrava duas crianças brincando em um carrossel. Não havia narração, apenas música e legendas: “Carlinhos vai para a escola todos os dias, o amigo dele, não. Carlinhos faz aula de piano, o amigo dele, não”. Num determinado momento, a legenda dizia, “Este é o Carlinhos.” A câmera focava o rosto de um menino com Down. E depois: “E esse é o amigo dele. Ele é um menino de rua.” A câmera mostrava a roupa puída e os pés calçando chinelo. No final, lia-se o slogan: “Milhares de crianças no Brasil precisam da sua ajuda. Portadores da sindrome de Down só precisam do seu respeito. A pior sindrome é a do preconceito.” (Aliás, diz Heiderich, a palavra “portador” não é mais usada no contexto da deficiência.)

Deixe uma resposta