Far From Alaska se distancia do Brasil com ‘Unlikely’, álbum de rock pesado


Com o lançamento do segundo álbum neste mês de agosto de 2017, a banda potiguar Far From Alaska fica ironicamente mais distante do Brasil do que do Alaska. Gravado nos Estados Unidos sob a batuta de Sylvia Massy, produtora associada ao som de bandas como Red Hot Chili Peppers e System of a Down, Unlikely (Elemess) é álbum sustentado com peso do hard rock eletrônico, como o single Cobra já sinalizara em junho.


Unlikely também se distancia do álbum anterior que há três anos deu projeção à banda de Natal (RN), modeHuman (2014), mas sem provocar rupturas. A rigor, Unlikely soa mais como consequência natural de modeHuman. Embora possa ser caracterizado dentro do genérico rótulo de rock pesado, o disco apresenta nuances ao longo das 12 músicas inéditas assinadas coletivamente por Emmily Barreto (voz), Cris Botarelli (steel guitar, sintetizador e voz), Rafael Brasil (guitarra), Edu Filgueira (baixo) e Lauro Kirsch (bateria) – quase todas batizadas com nomes de animais.


Slug, 11ª música do álbum, é exemplo da habilidade de Sylvia Massy para impedir que o repertório soe linear. Slug começa em clima sombrio que anuncia a tempestade sonora que desaba aos 40 segundos da faixa. Mas o clima muda de novo aos dois minutos, quando entram os versos “Weeping may last through the night / But joy comes with the morning”, deixando entrever uma manhã tropical. Contudo, na sequência, no fecho de Unlikely, Coruja pia no tom encorpado das guitarras que adensam o álbum.


Ainda que Pig promova flerte com o pop (dentro do que pode ser considerado pop em disco de rock pesado), o álbum gira com unidade em torno do universo do hard rock eletrônico. Gravado no estúdio The Foundation Soundstage, em Ashland (Oregon, EUA), Unlikely resulta bem mixado por Sylvia Massy. As audições de músicas como Bear (faixa de forte textura eletrônica), Flamingo e Pelican indicam que tudo parece estar no lugar, na intensidade e no tom certos – com exceção da capa jocosa concebida pela banda com Rafael Brasil.


As ilustrações de cada música, expostas em cartões na artesanal edição em CD de Unlikely, estão (um pouco) mais em sintonia com o som pautado pelos vocais expansivos de Emmily Barreto e Cris Botarelli. “It takes darkness to see the light”, sentecia Barreto em verso confessional de Elephant. Dentro da escuridão sonora de Unlikely, Far From Alaska encontra a luz que guiará o quinteto por caminhos cada vez mais distantes do Brasil. (Cotação: * * * *)


(Crédito da imagem: capa do álbum Unlikely. Far From Alaska em foto de Murilo Amâncio)

Deixe uma resposta