Michael Blume: nova voz do pop ativista dos EUA ‘se descobriu’ ao morar no Rio e dar aula de canto em favela

“Eu tive experiências muito diversas na vida. Sei como é estar com pessoas muito ricas, ser branco e privilegiado”, diz o estudante da concorrida Yale, “e também com pessoas muito pobres, como as da Maré. Com brancos, negros, gays, heteros, e então sinto que o que posso fazer é me tornar um ‘compartilhador profissional’ dessa vivência”, define.

Deixe uma resposta