Bravo une letras urbanas com rap e dub e canta ‘música do futuro’ no Som Nascente

Com tudo gravado, o artista segurou o material e fez uma viagem para Europa. “Nessa viagem, percebi esse segundo aspecto da transição: além de não precisar de banda, com esses componentes eletrônicos, eu podia funcionar, sozinho, como DJ, produtor, MC, tudo e uma vez e isso facilita par circular, fazer contato e tudo o mais. Quando voltei, peguei o material pronto e fui atrás de cair em campo”, diz.

Deixe uma resposta