DISCOS DE JUNHO DE 2017 – Mallu e Theo lançam grandes álbuns no mês

OS MELHORES DISCOS DE JUNHO DE 2017 – Dentre a produção fonográfica brasileira, dois álbuns mereceram a cotação máxima de cinco estrelas neste mês de junho e já estão garantidos na lista de melhores discos deste ano de 2017. Estes álbuns são de Mallu Magalhães e Theo de Barros.


Com arranjos exuberantes de Marcelo Camelo e Mario Adnet, a paulistana Mallu mostrou grande evolução como compositora no quarto álbum solo de estúdio, Vem, disco muito ouvido e muito comentado de forma passional ao longo do mês. Com referências ao sambalanço da década de 1960, Vem está pondo Mallu no olho do furacão, com polêmicas que extrapolam questões puramente musicais. Mas a grandeza do álbum é fato que o tempo somente vai reiterar.


Já o disco do compositor carioca Theo de Barros, Tatanagüê, foi (ainda) pouco ouvido e pouco comentado, mas é disco majestoso, atemporal, tanto pelos arranjos do álbum gravado sob a direção musical do próprio Theo como pelo inspirado repertório autoral. O excepcional cantor Renato Braz é o principal intérprete desse repertório centrado na obra composta por Theo em parceria com o compositor carioca Paulo César Pinheiro, letrista de 13 das 16 músicas de um disco que expõe canções de águas e terras de um Brasil mestiço.


Também com altas cotações, os álbuns Espírito de tudo (disco em que a cantora mineira Maria Alcina aborda o cancioneiro do compositor baiano Caetano Veloso com pegada roqueira e eletrônica) e Quebranto (disco de alma cigana que reúne os toques virtuosos dos violões do gaúcho Yamandu Costa e do paulista Alessandro Penezzi) merecem menções honrosas neste mês que hoje se encerra.


(Créditos das imagens: capas dos álbuns Vem e Tatanagüê, de Mallu Magalhães e Theo de Barros)

Deixe uma resposta