Álbuns de BaianaSystem, Fernanda e Nando têm artes indicadas a prêmio


Embora a arte gráfica dos discos tenha perdido força na era das edições digitais de álbuns e singles, geralmente postos nas plataformas digitais sem encartes e contracapas, o Prêmio da Música Brasileira resiste e insiste em laurear artistas responsáveis pelo design de álbuns. Tanto que a categoria Projeto visual permanece na premiação criada na década de 1980 pelo empresário José Maurício Machline.


Na 28ª edição do Prêmio da Música Brasileira, os álbuns Amor geral (da cantora e compositora carioca Fernanda Abreu), Duas cidades (do grupo soteropolitano BaianaSystem) e Jardim–Pomar (álbum do cantor e compositor paulistano Nando Reis) estão indicados nessa categoria em que o troféu vai para os artistas que criaram a identidade visual dos discos nomeados.


Giovanni Bianco assina a arte de Amor geral. Filipe Cartaxo traduz já na capa de Duas cidades a polaridade tensa que pauta o álbum da BaianaSystem. Já Mário Niveo concorre pelo artesanal visual bucólico de Jardim–Pomar. O vencedor vai ser revelado em 19 de julho, em cerimônia no Theatro Municipal do Rio de Janeiro que saudará o cantor Ney Matogrosso.


(Crédito da imagem: capas dos álbuns Amor geral, Duas cidades e Jardim–pomar)

Deixe uma resposta