Grafiteiro do DF participa de festival de artistas surdos na França 

Para isso, ele contou ter recebido algumas dicas de amigos grafiteiros, além de assistir a tutoriais na internet e treinar, por conta própria. Ele conta que, para “pagar o amor pela arte”, precisou começar a trabalhar como auxiliar de limpeza em uma empresa terceirizada para comprar materiais como spray e tinta.

Deixe uma resposta