Marx brinca no ‘quintal’ de Caetano e Gal sem fazer ‘Tapete mágico’ voar…


Na foto da capa do single Tapete mágico, a cantora Patricia Marx aparece em foto de 1981 no quintal da casa dos pais onde, além de brincar, ouvia repetidas vezes o álbum Fantasia, lançado por Gal Costa naquele ano. Lá, no quintal, Marx imitava os tons da cantora baiana neste disco em que Gal deu voz a Tapete mágico, composição de Caetano Veloso. Ao regravar a música para single já disponível nas plataformas digitais, Marx procurou ecoar o canto único de Gal sem, no entanto, fazer Tapete mágico alçar voo.


“Quis manter o tom original da Gal, por considerá-lo como a alma da música. Mantive os contornos suaves que aprendi com ela, mas fiz minha releitura, com uma levada mais soul e com harpas ao fundo, conservando a ideia da música e da letra, e dando um ar oriental em melodias, escalas e conceito”, explica Marx.


A gravação foi produzida pela artista com os músicos Herbert Medeiros (arranjo e teclados), Robinho Tavares (bateria e baixo), Tadeu Dias (guitarra) e Felipe Roseno (percussão), tendo sido gravada, mixada e masterizada no Vitrola Sound Estúdio, na cidade de Osasco (SP). Já a capa foi produzida pelo designer gráfico Marcelo Barros (Rock Ink Studios).


O single Tapete mágico chega ao mercado fonográfico, em edição do selo Lab 344, um ano após o lançamento de outro single em que Marx brincou no quintal de Gal e Caetano, regravando Tigresa (1977), outra música do compositor associada à voz cristalina da cantora. Mas o fato é que somente existe no mundo uma cantora cujo nome é Gal…


(Crédito da imagem: capa do single Tapete mágico, de Patricia Marx)

Deixe uma resposta