Outro dia de escola

Escolas municipais de Búzios estão utilizando painéis solares para gerar energia

Pois àquele que tem, lhe será dado e lhe será dado em abundância, mas ao que não tem, mesmo o que tem lhe será tirado. (Mateus, 13:12 – A Bíblia de Jerusalém)


Foi essa passagem bíblica, na qual Jesus explica aos seus discípulos porque fala em parábolas, que inspirou o grande sociólogo do conhecimento norte-americano Robert Merton a descrever a vida acadêmica a partir do que chamou de “Efeito Mateus”, um caso especial do que ele definiu como “A profecia que se cumpre por si mesma.” O sociólogo se referia ao etos da vida acadêmica, mas há uma clara analogia entre esse etos e outras crenças e situações sociais.

Depois de um dia de observação em escolas, ciceroneada pela coordenadora pedagógica de uma secretaria municipal na Região dos Lagos, onde casas milionárias de gente de todas as partes do País e do mundo, restaurantes e comércio caríssimos rodeados por praias paradisíacas, Robert Merton e o seu “Efeito Mateus” não me saíam da cabeça.

Estava passando uns dias na casa de amigos e o dono da casa me convidou para conhecer o trabalho que era feito na secretaria de educação. Fiquei entusiasmada com a oportunidade por ser ele o secretário adjunto e conhecer profundamente os problemas da rede municipal e os avanços que obtiveram nos últimos anos. Fiz apenas um pedido: “Quero conhecer uma escola com bom desempenho na avaliação do Ideb (Índice de Desenvolvimento do Ensino Básico) e uma com baixo desempenho”.

Fui primeiro conhecer o Centro de Formação Continuada e o trabalho excepcional da coordenadora pedagógica. Aí são organizados cursos, voltados para os professores da rede e avaliações dos que participam do sistema. Os contratados são submetidos à avaliação periódica para que possam receber apoio correto. Apenas os concursados, que pertencem ao quadro do funcionalismo, não aceitam se submeter à avaliação. A Secretaria avalia os estudantes para descobrir falhas e apontar caminhos além das provas promovidas pelo Ministério da Educação. Os diretores, escolhidos por concurso, são também submetidos à avaliação periódica a fim de propor caminhos para melhorar a gestão. Tudo isso faz com que a rede tenha conseguido alcançar bons índices de desempenho discente e da gestão.

A rede dispõe ainda de programas de incentivo à leitura e à melhoria do ensino de matemática por meio de jogos elaborados pelos próprios estudantes. As crianças e jovens participam de olimpíadas de matemática e há medalhistas de ouro e prata. Os gestores trabalham muito e se esforçam para dar o melhor de si, como pude atestar vendo os programas do centro de formação.

Ciceroneada pela coordenadora de cursos e pelo coordenador de matemática observei duas escolas.

A escola mais problemática, de segundo segmento do ensino fundamental, recebe estudantes de bairros pobres onde atuam facções rivais do tráfico de drogas, embora esteja localizada perto de uma das praias mais valorizadas e belas da região. Os conflitos são constantes. O diretor, embora bastante envolvido e dizendo que seguiu os passos de sua mãe professora, muitas vezes pensa em desistir, porém, sempre é impelido a continuar pela importância que vê na tarefa de ajudar os menos favorecidos. Queixou-se da maioria dos professores concursados que não são colaborativos e não se empenham no trabalho. A maioria é sindicalizada e o sindicato não se alinha ao partido que está no governo municipal, daí a dificuldade, disse ele.

O clima estava pesado quando chegamos ao estabelecimento. Na semana anterior duas meninas tinham agredido e machucado muito uma terceira e os professores estavam impactados com a violência.

Uma das turmas a quem fui apresentada era composta apenas de meninos. Eram jovens de sexto ano em defasagem série/idade. Pernas longas que mal cabiam nas carteiras e rostos adolescentes risonhos. Perguntei se gostavam de estudar. Responderam em uníssono que não, que não havia quadra de esportes ali e que achavam que nada ganhariam estudando. No meio da turma um jovem apontou um colega e disse: “Ele quer ser youtuber”. Perguntei se tinham sabido do ataque cibernético ocorrido nos computadores da Europa e dos EUA nos últimos dias. Eles sabiam e rindo comentaram que entendiam de vírus. Quando eu disse que a pessoa que havia barrado o ataque era um jovem de 19 anos, os olhos brilharam e fez-se silêncio.

Apesar do colégio ter sido todo reconstruído no início do ano, as portas de algumas salas estavam danificadas, os banheiros detonados e o diretor me mostrou cadeiras quebradas usadas pelos alunos como escada para saltar o muro alto e fugir das aulas. Do outro lado do muro um terreno desocupado e que, parece, será usado para fazer um campo de futebol. Os administradores estão buscando recursos para tanto. É muito pouco, mas mesmo assim difícil obter apoio.

Fiquei impressionada com as condições franciscanas do estabelecimento. Com as condições materiais existentes, professores devem ter muito trabalho para estimular seus alunos e estes, certamente, muita dificuldade em romper o círculo vicioso da pobreza e da miséria cultural em que vivem.

O meu dia de escola não terminou aí. Fui junto com os meus guias observar o colégio de nota muita acima da média do Ideb do estado do Rio de Janeiro e também muito acima da meta estabelecida pelo MEC para 2018. É uma escola de primeiro segmento.. A arquitetura em madeira e concreto, muito bonita, as paredes cheias de desenhos e trabalhos dos alunos e um clima de esperança. A jovem diretora adjunta nos mostrou a biblioteca, o pátio e as turmas. Em uma delas fiz a mesma pergunta e as crianças em uníssono disseram: “Adoramos!!!”. Perguntei o que eles queriam ser e muitos responderam – policial, outras falaram médico. Ninguém falou em seguir a carreira de professor.

O grande sociólogo do conhecimento norte-americano nos ensinou por meio do “Efeito Mateus”, como o sistema de recompensa é relativo e reflete uma profecia que se cumpre por si mesma. Se, de um lado, a profecia relativiza, os prêmios, a qualidade dos que produzem e a verdade sobre quem é bom ou quem merece e quem não merece, de outro, reforça o valor dos prêmios.

Merton ensina que os que têm pouco receberão pouco e lhes será tirado ainda o pouco que têm, como observei na primeira escola: todos falam que é uma escola ruim, os professores ficam desestimulados e não ensinam bem, as notas são baixas, os alunos se pensam a partir dessa avaliação e, como uma profecia que se cumpre por si mesma, ela será uma escola de mau desempenho). O contrário acontece com a segunda escola. Há esperança de que as crianças pequenas que veem no estudo o caminho para a realização de seus sonhos, consigam realizá-los porque estão sendo bem avaliadas, se sentem estimuladas e se veem como médicos e policiais e todos contribuem para que elas consigam cumprir a promessa.

P.S. Agradeço à equipe da secretaria municipal de educação a gentileza e o carinho que me dispensaram. Sem sua ajuda este post não teria sido possível.

(Foto cma Escola municipal na Região dos Lagos utilizam painés solares)

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Deixe uma resposta