Homenagem de cineasta brasileiro a amigo morto na África é exibida em Cannes

A história em si, como o diretor contou à agência Efe em Cannes, tinha “muitos mistérios”. “Como desapareceu, por que estava sozinho, por que dispensou seu guia. Essas perguntas eram muito cinematográficas. E, depois, havia algo também sobre a alegria de viver, a busca da pureza. Era alguém que queria engolir o mundo”, afirmou.

Deixe uma resposta