Zélia Duncan diz que musical sobre Tropicália é arma contra fase ‘retrógrada e sombria’ do Brasil atual

“Numa época tão dura, tão sanguinária mesmo, tão repressora… Vem um sujeito e propõe de a gente andar sem lenço e sem documento, com alegria. Sem livros e sem fuzil. A arma dele era a alegria de ser. Não uma alegria bocó, alienada. Alegria de eu ser eu, de você ser você, e contribuir para a riqueza de uma sociedade, de um país. Acho que aí estava o grande trunfo da Tropicália: ela não excluía, ela agregava”, reflete a cantora.

Deixe uma resposta