Nelson Xavier venceu timidez para virar ator e viveu ‘revolução’ com papel de Chico Xavier

Após o golpe militar de 1964, que intensificou a censura ao teatro político, o ator passou a estar mais presente no cinema. Até o fim dos anos 70, fez mais de 20 filmes, entre eles “O ABC do amor” (1967), de Eduardo Coutinho, Rodolfo Kuhn e Helvio Soto, “É Simonal” (1970) e “A culpa” (1972), de Domingos de Oliveira, “Dona Flor e seus dois maridos” (1976), de Bruno Barreto, e “A queda” (1978), de Ruy Guerra, que lhe rendeu um Urso de Prata no Festival de Berlim.

Deixe uma resposta