Reggaeton: como a batida lenta e a mistura com funk e sertanejo fizeram do gênero um fenômeno

“O que o povo faz não é bem reggaeton, é uma mistura sutil. Nos meus trabalhos, mantenho o violão sertanejo, troco a percussão, coloco até coisa de samba, pagode. Não é pedacinho por pedacinho, é mistura mesmo”, explica Cabrera, que crítica os adeptos de fórmulas prontas, especialmente no sertanejo:

Deixe uma resposta