Esdras Nogueira sopra no sax, em CD solo, melodias de Cartola e Gismonti


Enquanto a banda brasiliense Móveis Coloniais de Acaju segue inativa, em recesso por tempo indeterminado, o saxofonista Esdras Nogueira – músico do grupo – promove o independente segundo álbum solo, NaBarriguda, sucessor de Capivara (2014), disco lançado há três anos com repertório dedicado ao cancioneiro autoral do multi-instrumentista Hermeto Pascoal. NaBarriguda é álbum instrumental gravado em Brasília (DF), mixado em Porto Alegre (RS) e masterizado em Los Angeles (EUA) entre maio e junho de 2016.


No disco, o músico brasiliense sopra no sax barítono melodias de Cartola (1908 – 1980), de quem faz girar liricamente O mundo é um moinho (1976), e Egberto Gismonti, cujo tema Loro (1981) faz parte da azeitada seleção de NaBarriguda entre bons temas autorais como Quase balada, faixa de textura prog. Produtor musical do álbum ao lado de Nogueira, o guitarrista Marcus Moraes – integrante da banda do disco ao lado do percussionista Léo Barbosa, do baixista Rodrigo Balduíno e do baterista Thiago Cunha – é também parceiro do saxofonista em Olha o boi e na música-título NaBarriguda.


Na qualidade de convidado especial, o virtuoso trombonista Bocato toca em três das cinco composições autorais do disco, participando da música-título, de Chá de bananeira (com sabor de ska paralâmico) e da jazzy e serena Tardinha. A capa do CD NaBarriguda expõe Esdras Nogueira em ilustração de Oga Mendonça. (Cotação: * * * *)


(Crédito da imagem: capa do álbum NaBarriguda, de Esdras Nogueira)

Deixe uma resposta