Filme ‘Central’ mostra presídio de Porto Alegre que já foi o pior do país

Em meio à crise do sistema carcerário brasileiro, estreia nesta quinta-feira (30) o documentário “Central”, uma radiografia sobre o presídio de Porto Alegre. O filme será exibido em cinemas da capital gaúcha, além de São Paulo e Rio de Janeiro (veja o trailer). A classificação indicativa é de 14 anos.

“Aquilo lá é um palco de terror”, diz uma voz, logo na primeira frase do trailer. Hoje nomeado Cadeia Pública, o Presídio Central já foi considerado o pior do país, na CPI do Sistema Carcerário de 2008 na Câmara dos Deputados. Quase dez anos depois, um relatório do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) apontou que ele permanece em péssimas condições.

O documentário foi finalizado em 2015 e é lançado em um momento em que a temática não pode ser mais atual, depois do massacre no presídio de Manaus no primeiro dia de 2017.

“Depois desse trabalho eu digo que acho que ainda não é o pior momento do sistema carcerário. Isso é só começo. Aconteceu em Manaus e vai voltar a acontecer, porque é um sistema absolutamente esquecido. É isso que a gente está tentando mostrar para as pessoas com o documentário”, comenta a diretora Tatiana Sager em entrevista ao G1, na véspera da estreia nos cinemas.

Atualmente, há 4.549 detentos nas celas, enquanto a capacidade máxima é para abrigar  1.824 homens, conforme os últimos dados da Superintendência de Serviços Penitenciários (Susepe). Esses números oscilam, mas o histórico de superlotação continua.

Hoje nomeado Cadeia Pública, presídio foi construído em 1950 e desde então acumula uma série de problemas (Foto: Reprodução)Hoje nomeado Cadeia Pública, local foi construído em 1950 e acumula problemas (Foto: Reprodução)

Construído na década de 1950, o local acumula desde então uma série de problemas. O prédio é marcado por deficiências estruturais e tem, por exemplo, um esgoto a céu aberto. Além da falta de higiene e alimentação adequada, facções criminosas no comando provocam desigualdade entre presos e contribuem para agravar um cotidiano de violência na cadeia.

O filme é uma espécie de extensão do curta “O Poder Entre as Grades”, lançado em 2014 pela mesma diretora, e que foi baseado no livro “Falange Gaúcha”, publicado em 2008, de autoria do jornalista Renato Dornelles, que também é codiretor de “Central”. A obra trata do crime organizado no Rio Grande do Sul e destaca alguns episódios de fugas e perseguições e o motim de 1994.

Documentário mostra cenas inéditas gravadas dentro do presídio pelos presos (Foto: Reprodução)Documentário mostra cenas inéditas gravadas

dentro do presídio (Foto: Reprodução)

“Central” sai das ruas para mostrar cenas na perspectiva do preso. Além de entrevistas com autoridades e especialistas em segurança pública, o trabalho traz à tona o olhar dos próprios detentos sobre a realidade em que vivem. Com câmeras nas mãos, eles mesmos captaram imagens inéditas nas abarrotadas galerias.

“Depois de muita conversa com as autoridades e os líderes das facções, conseguimos autorização para colocar as câmeras lá dentro. Eles gravaram por dois dias o dia a dia nas galerias”, conta a cineasta. “É um material fantástico, por que é onde ninguém consegue chegar. Só quem é preso sabe. São cenas que mostram como eles realmente comem, dormem, como relacionam, como convivem”, descreve.

A diretora está usando “Central” como material didático em um trabalho com os internos da Fundação de Atendimento Sócio-Educativo (Fase), que deve se transformar em um novo documentário.

“A sequência vai ser com o que eu chamo de pequenos escravos do tráfico, que são esses adolescentes infratores. Eu sinto que eles tinham uma ilusão de que lá dentro teriam apoio de suas quadrilhas, de seus patrões, mas não é bem assim. Aliás, pode ser muito pior”, afirma.

Estrutura precária, falta de higiene e superlotação são alguns dos problemas do presídio (Foto: Reprodução)Estrutura precária, falta de higiene e superlotação são alguns dos problemas do presídio (Foto: Reprodução)
Atualmente, há 4.549 detentos nas celas, enquanto a capacidade máxima é para abrigar 1.824 homens (Foto: Reprodução)Atualmente, há 4.549 detentos nas celas, enquanto a capacidade é para 1.824 homens (Foto: Reprodução)
saiba mais

 

Deixe uma resposta