Documentário sobre Cícero Dias é exibido no Cinema São Luiz, no Recife

Obra de Cicero Dias (Foto: Museu Oscar Niemeyer/Divulgação)Cicero Dias é considerado um dos pioneiros do Modernismo no Brasil (Foto: Museu Oscar Niemeyer/Divulgação)

Um dos maiores pintores do país, o pernambucano Cícero Dias (1907-2003) tem a vida e a obra expostas mais uma vez em um novo documentário. O filme ‘Cícero Dias – O compadre de Picasso’, dirigido pelo paraibano Vladimir Carvalho, está em cartaz até o próximo domingo (20), no Cinema São Luiz, no bairro da Boa Vista, no Centro do Recife. O ingresso custa R$ 10, com direito à meia-entrada.

Durante quase uma hora e meia, a película traz entrevistas inéditas com o pintor, além de depoimentos de outros artistas, admiradores e amigos. Entre os entrevistados, estão o escritor e dramaturgo Ariano Suassuna, os críticos de arte Mário Hélio e Frederico Morais e o galerista Jean Boghici. As filmagens foram feitas no Recife, Rio de Janeiro e Paris.

O documentário chega à capital pernambucana após vencer prêmios em importantes festivais de cinema, como o Festival de Brasília do Cinema Brasileiro deste ano, nas categorias Melhor Direção e Melhor Roteiro na Mostra Brasília. A obra também é o oitavo longa-metragem de Vladimir Carvalho, que, aos 81 anos, é o documentarista mais longevo do país.

Muita gente reclamou do desconforto durante a espera pela abertura do Cine São Luiz. (Foto: Katherine Coutinho / G1)Exibições acontecem no Cinema São Luiz (Foto: Katherine Coutinho / G1)

Cícero Dias

Nascido no Engenho Jundiá, em Escada, município da Mata Sul pernambucana localizado a 63 quilômetros do Recife, o artista plástico Cícero Dias é um dos maiores nomes da arte nacional. Aos 13 anos, mudou-se para o Rio de Janeiro, onde descobriu o talento para a pintura.

Após ser recusado em quase todas as galerias da cidade, em 1931, abriu uma exposição no Salão de Belas Artes, a convite do modernista Di Cavalcanti. Simpatizante do Partido Comunista, teve o ateliê invadido pela polícia durante a ditadura do Estado Novo, implantada por Getúlio Vargas no fim da década de 30. Por isso, decidiu morar em Paris, onde morou até a morte.

Apesar de viver longe de Pernambuco, Dias nunca deixou de retratar nas obras as paisagens, os sobrados e os canaviais do estado, além do mar de Boa Viagem. É considerado um dos pioneiros do Modernismo Brasileiro por romper a estética clássica nos óleos e aquarelas que produzia. Também era amigo de grandes personalidades, entre elas o espanhol Pablo Picasso, que foi padrinho da filha do pernambucano.

Serviço:

‘Cícero Dias – O compadre de Picasso’

Cinema São Luiz, Rua da Aurora, 175, Boa Vista

Até 20 de novembro

Ingressos: R$ 10, com direito à meia-entrada

saiba mais

 

 

Deixe uma resposta