Morre o músico Leonard Cohen

Músico Leonard Cohen se apresenta nesta terça (18) no Madison Square Garden, em Nova York (Foto: Mike Lawrie/Getty Images/AFP)Músico Leonard Cohen (Foto: Arquivo / Mike Lawrie / Getty Images / AFP Photo)

O cantor, compositor e poeta canadense Leonard Cohen, morreu aos 82 anos, informou a gravadora Sony Music do Canadá nesta quinta-feira (10).

“É com profunda tristeza que relatamos que legendário poeta, compositor e artista Leonard Cohen faleceu. Perdemos um dos mais venerados e prolíficos visionários da música. Um memorial ocorrerá em Los Angeles em uma data posterior. A família pede privacidade durante seu período de luto”, diz o comunicado.

A causa de morte não foi informada.

Em setembro, Cohen festejou seus 82 anos com um novo álbum em que fez intensas reflexões metafísicas sobre a morte. “You want it darker”, lançado no dia 21 de outubro, fiel a seus arranjos musicais minimalistas. O trabalho anterior é “Popular problems”, de 2014. O disco, produzido por seu filho Adam Cohen, faz referências a suas recordações de infância em Montreal e está impregnado dos coros da sinagoga Shaar Hashomayim.

Leonard Cohen se retirou da cena artística nos anos 1990, e em 1996 ficou recluso em um monastério budista na região de Los Angeles. Mas ele voltou à música por uma razão pouco espiritual, quando descobriu que seu agente havia roubado grande parte de sua poupança.

Leonard Norman Cohen nasceu em 21 de setembro de 1934, em Westmount, Quebec. Ele aprendeu a tocar guitarra flamenca e formou um grupo chamado Buckskin Boys.

saiba mais

Depois de se formar na Universidade McGill, Cohen mudou-se para a ilha grega de Hydra, onde comprou uma casa por US $ 1.500 com a ajuda de um modesto fundo fiduciário estabelecido por seu pai, que morreu quando Leonard tinha 9 anos.

Cohen publicou a coleção de poesias “Flowers for Hitler” (1964) e os romances “The favorite game” (1963) e “Beautiful losers” (1966).

Frustrado com as baixas vendas de livros e cansado de trabalhar na indústria de roupas de Montreal, Cohen visitou Nova York, nos Estados Unidos, em 1966. Lá, conheceu a cantora folk Judy Collins, que mais tarde incluiu duas de suas canções, incluindo o sucesso inicial “Suzanne”, em seu álbum “In my life”.

Seu ambiente em Nova York incluiu Andy Warhol.

Cohen escreveu músicas para Judy Collins, James Taylor, Willie Nelson e muitos outros.

Durante os anos 1970, partiu na primeira das muitas e longas e intensas turnês que ele repetiria no final de sua carreira. “Uma das razões pelas quais estou em turnê é conhecer pessoas”, disse ele à revista Rolling Stone em 1971.

A relação de Cohen com Suzanne Elrod durante a maior parte dos anos 70 resultou em duas crianças: a fotógrafa Lorca Cohen e Adam Cohen, que lidera o grupo Low Millions. Ele teve romances duradouros também com as cantoras Laura Branigan, Sharon Robinson, Anjani Thomas e Jennifer Warnes.

Seu maior sucesso foi “Hallelujah (Aleluia)”, uma meditação sobre amor e sexo.

Embora nunca tivesse abandonado o judaísmo, o músico atribuiu ao budismo a redução de seus quadros depressivos.

Recentemente, especialistas não entenderam a razão de o prêmio Nobel de Literatura ter ido para o músico Bob Dylan e não para o artista canadense.

Deixe uma resposta