Festival no Recife exibe 27 filmes com temática LGBT

Documentário de Leandra Leal traz depoimentos de artistas como Rogéria, no Recifest, em Recife (Foto: Reprodução/Divinas Divas)Documentário de Leandra Leal traz depoimentos de artistas como Rogéria (Foto: Reprodução/Divinas Divas)

Com o fim do Janela Internacional de Cinema do Recife, os cinéfilos recifenses já têm uma nova oportunidade de apreciar a sétima arte e, ao mesmo tempo, fazer reflexões sobre as relações humanas. No dia 15 de novembro, tem início, no Cinema São Luiz, no bairro da Boa Vista, Centro, a quarta edição do Festival da Diversidade Sexual e de Gênero (Recifest), com exibição de 27 filmes que abordam a temática LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transexuais e Travestis). A entrada é de graça.

saiba mais

Além da exposição audiovisual, estão previstos lançamento de livros, performances, debates e apresentações de teatro e dança. A programação segue até o dia 19, começando sempre às 19h. Este ano, os homenageados são a diva da Praça Roosevelt, Phedra de Córdoba, e o crítico Christian Petterman, que morreram em 2015. A curadoria das mostras competitivas é do crítico Alexandre Figueirôa e da documentarista Clara Angélica.

Entre os destaques da programação está o documentário ‘Divinas Divas’, dirigido por Leandra Leal, que presta homenagem às primeiras artistas travestis do Brasil, trazendo depoimentos de Rogéria, Jane Di Castro, Camille K, Eloína dos Leopardos e outras. Outra atração é a estreia de ‘Amores Santos’, de Dener Giovani, que fala sobre relacionamentos entre líderes religiosos e homens gays.

Recifest usa o cinema para discutir temática LGBT, no Recife (Foto: Reprodução/Faz que Vai)Recifest usa o cinema para discutir temática LGBT (Foto: Reprodução/Faz que Vai)

O Recifest também realiza performances, como a dos estilistas Chico Marinho e André Aguiar, que vão expor peças relacionadas ao universo LGBT. Já no dia da abertura, o Coletivo Angu de Teatro faz uma rápida encenação do espetáculo ‘Ossos’, do pernambucano Marcelino Freire.

Cada noite será apresentada por uma pessoa diferente. Entre as apresentadoras, estão a assessora parlamentar Fabianna Mello, primeira transexual a trabalhar na Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), e a advogada Robeyoncé Lima, primeira a ser aprovada no exame da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

Confira a programação completa abaixo:

Terça (15)

18h – Lançamento do livro: “Homoafetividade e as religiões: Educando pela Diversidade”, de Jorge Arruda

19h – Lavagem da calçada do São Luiz

19h30 – Abertura: Teatro: Fragmento do espetáculo “Ossos”, de Marcelino Freire, pelo Angu de Teatro + Longa: Amores Santos, de Dener Giovani

Quarta (16)

18h- Lançamento do livro: Cinema Noir: A Sombra como experiência estética e narrativa, de Bertrand Lira

19h30 – Abertura Música: Espetáculo “#acordefrida: sapatômico”, de Madalena Rodrigues e Juliana Pires + Mostras curtas internacionais e Div.A

Quinta (17)

19H30 – Abertura: Dança – espetáculo “ämämä mämäm, de André Aguiar + Mostra competitiva pernambucana

Sexta (18)

19H30 – Abertura: Representatividade – Vídeo sobre Sr. Avelino Fortuna, do Mães pela Diversidade + Mostra competitiva nacional

Sábado (19)

19h30 – Abertura: Audiovisual – Projeto Margem, de Gui Nonato + Divinas Divas, de Leandra Leal

Seleção de curtas internacionais + Div.A

– A Night in Tokoriki, de Roxana Stroe (Romênia)

– The Wayward Carnality, de Joanna Maria Wókcik (Polônia)

– Lucid Noon, Sunset Blush, de Alia Logout (EUA)

– Elise, de Evan Sterrett e Jo Bradlee (EUA)

– Máscaras, de David San Juan (Bélgica)

– Float, de Sam Berliner (EUA)

– All Their Shades, de Chloé Allienz (Bélgica)

Mostra competitiva pernambucana

– Quarto para alugar”, de Enock Carvalho e Matheus Farias

– Faz que vai,  de Bárbara Wagner e Benjamim de Burca

– Um brinde”, de João Vigo

– Angu.doc, de André Brasileiro e Vinícius Vieira

– Irma – Era uma vez no sertão, de Camilla Lapa e Lorena Arouche

– Nena cajuína, de Almir Guilhermino

– Milagres, de Adalberto Oliveira

– Transexualidade masculina, de Lucio Souza, Emannuel Nascimento, Bianca Pereira e Giselle Cahú.

Mostra competitiva nacional

– Canto da sombra”, de Thiago Kistenmacker (RJ)

– Ingrid, de Maick Hannder (RJ)

– O chá do general, de Bob Yang (SP)

– Rosinha, de Gui Campos (DF)

– Se o mundo acabar, me dê um toque (SP/Bélgica)

– Horizonte de eventos, de Gil Baroni (PR)

– Lovedoll, de Debora Zanatta e Estevan de La Fuente (PR)

– Onde é aqui”, de Mateus Capelo (SP)

– Aquela estrada, de Rafael Ramos (AM)

– Antes da encanteria, de Elena Meirelles, Gabriela Pessoa, Jorge Polo, Lívia de Paiva e Paulo Victor Soares (CE).

Longas

– Amores Santos, de Dener Giovani

– Divinas Divas, de Leandra Leal

 

Deixe uma resposta