Leilão de peças no Museu do Erotismo de Paris rende R$ 1,6 milhão

Desenho do cartunista Wolinski foi um dos objetos vendidos no leilão do Museu do Erotismo de Paris (Foto: Divulgação/Cornette de Saint Cyr)Desenho do cartunista Wolinski foi um dos objetos vendidos no leilão do Museu do Erotismo de Paris (Foto: Divulgação/Cornette de Saint Cyr)

O leilão de mais de 2 mil objetos do Museu do Erotismo de Paris, o único museu francês dedicado ao erotismo e aos prazeres carnais, atingiu neste domingo (6) 450 mil euros (pouco mais de R$ 1,6 milhão), informou a casa de leilões Cornette de Saint Cyr.

Fundado em 1998 em Pigalle – bairro boêmio de Paris – por dois amigos, Jo Khalifa e Alain Plumey, um ex-ator pornô, ambos fascinados pelo erotismo e suas representações artísticas, o Museu do Erotismo recebia anualmente dezenas de milhares de visitantes.

O lote mais original, uma imponente escultura moderna de 1980 que representa uma mulher fazendo sexo com um robô, foi arrematado por 38,16 mil euros. A peça era avaliada entre 7 mil euros e 8 mil euros.

Mais de 500 pessoas assistiram à venda, enquanto outras 500 a seguiram pela internet.

Uma obra de Salvador Dalí, versão em baixo-relevo de 1977 de sua tela de 1954, intitulada “Joven virgen autosodomizada por los cuernos de su propia castidad” (“Jovem virgem autossodomizada pelos chifres de sua própria castidade”), foi arrematada por 20,608 mil euros para uma estimativa inicial de 2 mil euros a 3 mil euros.

O quadro de Alex Varenne “Os seios da Mona Lisa”, que mostra uma Gioconda nua, foi vendido por 13,524 mil euros.

O dono do edifício decidiu não renovar o aluguel e os proprietários do museu não tiveram outra saída viável para manter o local, uma versão parisiense de outros similares no mundo, como o Venustempel de Amsterdã ou o museu do sexo de Nova York.

Seus proprietários, grandes viajantes, adquiriram durante trinta anos uma coleção internacional que misturava arte popular, sacra e contemporânea.

Muitos lotes eram provenientes da Ásia, onde o erotismo é considerado em alguns casos uma forma de filosofia. A peça mais antiga é um baixo-relevo em mármore do século XVIII, procedente de um templo tântrico e que representa Vishnu.

Um “Kamasutra” indiano, bronzes de Pathan (Tibete), um cachimbo fálico tailandês talhado em madeira e representações de genitais femininos e masculinos da América Latina ou um dispositivo francês do final do século XVIII que representa um casal copulando foram alguns dos lotes leiloados.

Muitos deles evocam a era dos prostíbulos, que floresceram na França até uma idade de ouro no fim do século XIX, antes de seu fechamento definitivo, em 1946.

Entre outros objetos leiloados estão consolos do mundo inteiro e de todas as épocas, cadeiras do prazer e desenhos, fotografias e esculturas eróticas.

Deixe uma resposta