Plebe Rude vai abrir show do Guns N’ Roses em Brasília no dia 20

Show da banda de rock Plebe Rude no Palco Rio Branco da Virada Cultural (Foto: Cauê Muraro/G1)A banda Plebe Rude, confirmada na abertura do show do Guns N’ Roses em Brasília, no dia 20 de novembro (Foto: Cauê Muraro/G1)

Uma das mais importantes bandas de rock de Brasília, a Plebe Rude foi confirmada na abertura do show do Guns N’ Roses que acontece no próximo dia 20 de novembro no Estádio Mané Garrincha, em Brasília. A apresentação da banda norte-americana é a primeira na capital com o vocalista Axl Rose, o guitarrista Slash e o baixista Duff McKagan juntos.

saiba mais

O show do Guns faz parte da turnê “Not in this lifetime Latin America Tour/2016”, que inclui outras cinco apresentações no Brasil: Beira Rio, em Porto Alegre (8/11); Allianz Parque, em São Paulo (11/11); no Rio de Janeiro, em local a confirmar (15/11); e na Pedreira Paulo Leminski, em Curitiba (17/11).

A turnê marca o retorno de Slash e Duff à banda após mais de duas décadas. O anúncio da volta havia acontecido em janeiro, quando Slash e Duff confirmaram em redes sociais que iriam dividir o palco com Axl no festival Coachella, na Califórnia, entre 16 e 23 abril. Os ingressos para o evento estão à venda pela internet.

A Plebe Rude já havia sido a banda de abertura do último show do Guns N’ Roses em Brasília, em 26 de março de 2014. Na ocasião, sem Slash e Duff, a apresentação aconteceu no ginásio Nilson Nelson.

Desde 1981 na estrada, a Plebe Rude é uma das principais bandas de rock do país, com discos importantes para a cena, como “O concreto já rachou” e “Nunca fomos tão brasileiros”. O disco mais recente é “Nação daltônica”, sexto trabalho de estúdio, lançado em 2015.

Ao longo da carreira, o grupo emplacou sucessos como “Proteção”, “Até quando esperar”, “Johnny vai à guerra”, “Censura” e “Plebiscito”. A atual formação inclui os vocalistas e guitarristas Philippe Seabra e Clemente Nascimento, o baixista André X e o baterista Marcelo Capucci.

Em maio último, foi lançado um documentário sobre a trajetória da banda. “A plebe é rude”. Com direção de Diego da Costa e Hiro Ishikawa, o filme mostra imagens desde os primeiros passos do grupo até os momentos mais recentes.

O longa conta um pouco sobre como a Plebe conseguiu se manter sem fazer concessões ao mercado fonográfico, especialmente na época do “boom” do “BRock”. Estão ali cenas de shows, entrevistas, depoimentos, participações em programas de TV e diversas imagens raras.

Integrantes da formação clássica do Gun N' Roses (a partir da esquerda): Duff McKagan (baixo), Axl Rose (vocal) e Slash (guitarra), em show em Washington, nos Estados Unidos, em 26 de junho de 2016 (Foto: Divulgação)Duff McKagan, Axl Rose e Slash (guitarra), em show em Washington, nos Estados Unidos, em 26 de junho de 2016 (Foto: Divulgação)

‘Quase original’

A nova formação fez a primeira apresentação, um show surpresa, no dia 1º de abril, em Los Angeles, cidade onde o Guns foi criado em 1985, da união entre integrantes do LA Guns e do Hollywood Roses.

A volta aconteceu na casa de shows Troubadour e teve um público de aproximadamente 500 pessoas. “It’s so easy” foi a primeira música tocada pela nova formação.

Axl Rose durante apresentação no Troubadour, em Los Angeles (Foto: Reprodução/Youtube)Axl Rose durante apresentação no Troubadour

(Foto: YouTube/Reprodução)

Completam o time atual o tecladista Dizzy Reed, que se apresentou com o Guns pela primeira vez no primeiro show da banda no Rock in Rio 2, em 20 de janeiro de 1991, o guitarrista Richard Fortus, que entrou em 2002, e o baterista Frank Ferrer, no grupo desde 2006.

O baterista original da banda, Steven Adler, chegou a fazer um show com a atual formação, em em Cincinnati, nos Estados Unidos, em 6 de julho. Ele foi expulso do Guns em 1990, durante as gravações do “Use your illusion”, por problemas com as drogas.

O guitarrista base original, um dos principais compositores da banda na fase áurea, Izzy Stradlin, também não faz parte da atual formação. Ele deixou o grupo em 1991, logo após o lançamento de “Use your illusion”. O músico chegou a se apresentar com o Guns N’ Roses em alguns shows a partir de 2006 até 2014, mas não aceitou voltar para o time.

O baterista Matt Sorum, substituto de Adler, ficou no Guns até 1997 e depois ainda tocou com Slash no disco “It’s five o’clock somewhere”, do Slash’s Snakepit, com Duff, no álbum “Believe in me”, e com Gilby Clark (que entrou no Guns N’ Roses no lugar de Stradlin), no disco “Pawnshop guitar”.

Guns N' Roses (Foto: Luna Markman / G1)Guns N’ Roses (Foto: Luna Markman /G1)

Sorum também gravou três álbuns com a banda Velvet Revolver, que tinha em sua formação Slash, Duff e o cantor Scott Weiland (ex-Stone Temple Pilots). A ideia da banda foi de Stradlin, que acabou saindo antes mesmo do primeiro disco, após discordar sobre a necessidade de um cantor – o guitarrista queria dividir os vocais com Duff.

No show de Brasília, a banda deve tocar alguns dos principais hits da carreira, como “Sweet child o’mine”, “Paradise city”, Welcome to the jungle”, “Patience”, “November rain”, “Mr. Brownstone”, “You could be mine”, “Don’t cry”, “Rocket queen” e “Nightrain”, entre outros.

A turnê também traz os músicos tocando covers gravados em discos da banda, como “Knocking on heaven’s door”, de Bob Dylan, e “Live and let die”, de Paul McCartney, canções do mais recente álbum de estúdio, “Chinese democracy”, como “Better”, “Sorry” e a faixa-título, e outros covers. Em shows recentes, eles têm executado músicas como “The seeker”, do The Who, “New Rose”, do The Damned (gravada pela banda em “Spaghetti incident?”), e “Wsh you were here”, do Pink Floyd.

Guns N' Roses - 'Appetite for destruction' (Foto: Divulgação)Capa do disco “Appetite for destruction”, do Guns N’

Roses (Foto: Reprodução)

A banda

O vocalista Axl Rose, nascido William Bruce Rose Jr., e o amigo e guitarrista Izzy Stradlin são o embrião do Guns N’ Roses, antes mesmo do grupo norte-americano adotar o nome. Com a formação original, que inclui o guitarrista Slash (cujo nome verdadeiro é Saul Hudson), o baixista Michael “Duff” McKagan e o baterista Steven Adler, eles gravaram o EP Live “?!*@ Like a suicide”, em 1986.

O álbum ao vivo tem duas músicas de autoria dos membros da banda, “Reckless life” e “Move to the city”, e dois covers – “Mama Kim”, do Aerosmith, e “Nice boys”, do Rose Tattoo. Foi este trabalho que chamou a atenção dos executivos da gravadora Geffen. Em 1988, o material foi anexado a quatro músicas acústicas e virou o segundo LP oficial do grupo, “G N’ R Lies”., de 1988, que contém os sucessos “Patience” e “Used to love her”.

O primeiro LP oficial é “Appetite for destruction”, lançado em 1987 e que até hoje é o álbum de estreia de maior vendagem da história da indústria fonográfica. Foram 30 milhões de cópias, 18 milhões apenas nos Estados Unidos.

Até hoje, o disco é o que mais fornece canções para os shows do Guns. Músicas como “Sweet child o’mine”, “Paradise city”, “Welcome to the jungle”, “It’s so easy”, “Nightrain” e “Rocket queen” nunca deixaram de ser tocadas. O LP tem ainda composições como “My Michelle” e “You’re crazy”, que vez por outra estão no repertório.

Com uma hora e meia de atraso, Guns N' Roses subiu ao palco às 02h40 (Foto: Felipe Dana/AP)Axl Rose durante show do Guns N’ Roses no Rock in Rio em 2011 (Foto: Felipe Dana/AP)

Apesar do sucesso alcançado nos Estados Unidos nos anos em que os discos chegaram ao mercado, o status de “banda mundial” do Guns apareceu a partir de 1989. Na época, as músicas passaram a frequentar os primeiros lugares em paradas de sucesso ao mesmo tempo em que polêmicas envolvendo os integrantes estampavam as revistas e jornais.

Casos de agressões a vizinhos e repórteres, brigas entre integrantes, abuso de álcool e drogas, prisões, problemas com a Justiça e outros escândalos fizeram com que o nome da banda estivesse sempre presente na imprensa.

Slash inicia turnê brasileira no Rio (Foto: Maria Chrisá/G1)O guitarrista Slash (Foto: Maria Chrisá/G1)

Entre as polêmicas que viraram manchete estão os fatos de Stradlin ser acusado de urinar em público dentro de um avião e de Slash despejou palavrões em plena TV ao vivo durante a premiação American Music Awards.

Outro caso que teve repercussão foi quando Axl disse em um show que aquele poderia ser a última apresentação do Guns se  alguns integrantes não parassem de dançar com “Mr. Brownstone”. O recado era para Slash, que na visão do vocalista estava abusando da heroína (Mr. Brownstone é uma gíria para a droga).

Enquanto o sucesso e os problemas aumentavam, a banda adiava mais e mais a finalização do disco que viria a ser lançado em 1991, “Use your illusion”. Antes do álbum chegar às lojas, faixas como “Knockin’ on the heaven’s door”, que já fazia parte do show desde o lançamento de “Appetite”, “Civil war” e “You could be mine”, que foi tema do filme “O exterminador do futuro”, estavam entre as mais pedidas nas rádios.

Os dois LPs duplos, ou dois CDs simples, “Use your illusion I e II” chegaram às lojas em 17 de setembro de 1991. As três faixas que puxaram a promoção do trabalho foram sucedidas por sucessos como “November rain”, “Don’t cry”, “Yesterdays”, “Live and let die” e “So fine”.

Explosão e fogo durante a música 'Live and let die' no show do Guns N' Roses em Brasília (Foto: Lucas Nanini/G1)Explosão e fogo durante a música “Live and let die” no show do Guns N’ Roses em Brasília, em 2014

(Foto: Lucas Nanini/G1)

Queda de produção

Principal compositor dos primeiros discos, Izzy Stradlin deixou a banda logo após o lançamento de “Use your illussion”. Coincidência ou não, o grupo passou a não colocar mais no mercado músicas novas autorais. 

Em 1993, chega às lojas o disco punk  “Spaghetti incident?”, com covers de nomes como Stooges, T. Rex, Nazareth, The Damned, New York Dolls, U.K. Subs” e Sex Pistols. Este é o último álbum gravado por Axl, Slash e Duff juntos.

Músicos da banda Guns N' Roses durante show em Brasília (Foto: Lucas Nanini/G1)Músicos da banda Guns N’ Roses durante show

em Brasília (Foto: Lucas Nanini/G1)

Duas músicas do disco chamaram a atenção em especial: a romântica “Since i don’t have you”, do grupo The Sylliners – chegou até a tocar em rádio –, e a faixa oculta “Look at your game, girl”, escrita por Charles Manson, líder de um grupo que cometeu uma série de assassinatos nos Estados Unidos no final da década de 1960, entre eles o da atriz Sharon Tate, mulher do diretor de cinema Roman Polanski, que estava grávida de oito meses.

A última música lançada pelo Guns com Axl, Slash, Duff e Matt foi “Sympathy for the devil”, cover dos Rolling Stones que fez parte da trilha sonora do filme “Entrevista com o vampiro”. A canção foi lançada como single em dezembro de 1994 e é a primeira a ter participação do guitarrista Paul Tobias.

Chinese democracy

Desde então, muito se falou na imprensa sobre o novo disco do Guns N’ Roses, que não saiu enquanto os músicos originais ainda eram maioria na banda. Slash e Sorum saíram em 1997, Duff deixou o grupo em 1998.

Guns N' Roses (Foto: Luna Markman / G1)Axl Rose ao piano durante show do Guns N’ Roses (Foto: Luna Markman/G1)

Mesmo com a debandada, Axl continuou a gravar o álbum. Em 2005, o New York Times publicou a reportagem “O álbum mais caro nunca feito”. O texto detalhava as cômicas tentativas da gravadora Geffen Records em fazer com que o vocalista terminasse o disco “Chinese democracy” – que já havia consumido US$ 13 milhões na época.

O dinheiro não foi gasto apenas com horas de estúdio, instrumentos e equipamentos de gravação, como disse o jornalista Jeff Leeds. Em uma ocasião, “Buckethead anunciou que trabalharia de forma mais confortável dentro de um galinheiro. Então, um foi construído para ele dentro do estúdio, usando placas de madeira e arame”.

Formação original do Guns: Steven Adler, Izzy Stadlin, Duff McKagan, Axl Rose e Slash (Foto: Divulgação / Greg Freeman)Formação original do Guns N’ Roses: Steven Adler,

Izzy Stadlin, Duff, Axl Rose e Slash

(Foto: Greg Freeman/Divulgação)

O disco foi lançado em 2008. A lista de pessoas que participaram do álbum reflete sua longa gestação. Os créditos de uma só música – “There was a time”, que emula um tema dos filmes de James Bond – ocupa 33 linhas do encarte do CD. No total, seis pessoas tocaram guitarra na faixa. Duas delas tiveram direito a solos.

Mesmo após toda essa atribulação, a Rolling Stone chamou o trabalho de “um grande, audacioso, perturbado e sem concessões álbum de hard-rock”, enquanto o jornal britânico The Telegraph o definiu como “um álbum notável e revigorante”.

No Brasil

O Guns N’ Roses desembarcou no Brasil em janeiro de 1991 para participar do Rock in Rio 2. Os dois shows, nos dias 20 e 23, marcaram as entradas de Matt Sorum e Dizzy Reed. Foi no palco do Maracanã que a banda tocou pela primeira vez as músicas do novo álbum, incluindo “Estranged”, “Double talkin’ jive”, “Dead horse” e “Pretty tied up”, que abriu a primeira apresentação.

A segunda vinda ao Brasil  aconteceu no ano seguinte, já com Gilby Clark na guitarra base. O Guns ainda tocaria em mais duas edições do Rock in Rio, em 2001 e 2011, e viria mais duas vezes ao país, em 2010 e em 2014, mas com Axl como único membro original.

Guns N’ Roses – Not in this lifetime Latin America Tour/2016

Local: Estádio Mané Garrincha – Brasília

Data: 20 de novembro

Horário: 20h

Abertura: Plebe Rude

Ingressos: a partir de R$ 180 (meia)

Vendas: pela internet

Deixe uma resposta