‘Mogli – O menino lobo’: veja quatro diferenças entre filme e animação

O novo “Mogli – O menino lobo” da Disney, feito quase completamente em computação gráfica, chega aos cinemas brasileiros nesta quinta-feira (14) e é bela versão dirigida por Jon Favreau, cineasta responsável por “Homem de ferro” (2008).

Como a animação original de 1967, a última a ser produzida pelo próprio Walt Disney, figura como uma das maiores produções dos estúdios, separamos quatro grandes diferenças entre as duas versões — e uma coisa que continua a mesma. Assista ao vídeo acima.

1ª diferença – Animação vs computação gráfica

A principal diferença é fácil de perceber. Enquanto o primeiro longa segue os traços que tornaram o estúdio famoso por suas animações, a nova produção escala o iniciante Neel Sethi no papel do menino lobo e utiliza uma belíssima computação gráfica para montar uma selva realista e com animais que realmente parecem falar.

Mogli (Neel Sethi) encontra a serpente Kaa em cena do filme 'Mogli - O menino lobo' (Foto: Divulgação)Nova versão do filme é carregada de momentos tensos e assustadores (Foto: Divulgação)

 2ª – A nova versão é mais assustadora

O humor pastelão do original dá lugar a um ar mais maduro no novo filme e, não vou negar, em alguns momentos até eu fiquei meio preocupado no cinema. O vilão Shere Khan está mais perigoso do nunca, e a cena em que Mogli encontra a cobra Kaa pode dar pesadelos aos mais novinhos. Isso sem falar no encontro com um símio gigantesco que me lembra do meu próximo ponto…

3ª – Rei Louie tem tamanho de mais e charme de menos

Você se lembra daquele orangotango meio malandro, meio jazzeiro que queria aprender a ser humano na animação? Então, ele devia muito de seu charme ao trompetista Louis Prima, conhecido como o rei do swing e responsável pela dublagem do personagem. A ausência de Prima deixa um buraco tão grande, que nem a transformação de Rei Louie em um primata pré-histórico gigantesco conseguiu ocupar.

4ª – Os abutres

Em 1967, tudo estava certo para que os próprios Beatles dublassem os abutres que no final ajudam a salvar a vida de Mogli, mas conflitos de agenda (e John Lennon) acabaram impedindo que a banda gravasse suas falas. Isso não acabou com a importância dos personagens para o desfecho da história na época, mas pelo jeito cancelou sua presença neste novo filme, que nem sabe da existência de aves tão simpáticas.

Semelhança: Espírito Disney

O diretor Jon Favreau conseguiu sucesso em uma missão que parecia ser bem complicada. Com o novo “Mogli”, ele traz um clássico literário do final do século 19 para as exigências do público moderno enquanto mantém toda a magia da animação original da Disney. A história pode ter suas diferenças e até está mais madura, mas, no fim, o sentimento de rever aquele desenho da infância deve agradar tanto às crianças quanto aos pais que as acompanharão.

Mogli (Neel Sethi) nada com Balu em cena do filme 'Mogli - O menino lobo' (Foto: Divulgação)Não precisam ficar preocupados. ‘Somente o necessário’ está no filme (Foto: Divulgação)

 

Deixe uma resposta