Diretor de ‘Aquarius’ diz estar nervoso com indicação para Cannes

Idealizador do festival, Kleber Mendonça Filho (Foto: Anna Tiago / G1)Kleber Mendonça Filho é uma mistura de felicidade e nervosismo (Foto: Anna Tiago / G1)

Após o anúncio de que seu filme ,“Aquarius”, irá integrar a mostra oficial do 69º Festival de Cannes e dispurar a Palma de Ouro, o diretor Kleber Mendonça Filho (“O Som ao Redor”) é uma mistura de felicidade e nervosismo.  O evento, considerado um dos principais do calendário de cinema internacional, acontece entre 11 e 12 e maio, na França.

“Eu estou muito feliz pelo filme e pela equipe. Esse foi um filme feito com um amor muito grande, que filmamos entre agosto e setembro. Espero que ele [“Aquarius”] também tenha sido um filme forte para Sonia Braga. Agora é ir, exibir e pronto”, fala com tom de ansiedade. 

A película, que tem Sonia Braga como protagonista, marca o retorno do Brasil ao festival. No entanto, Kleber brinca que não quer pensar nessa pressão. “Não quero nem lembrar disso para não ficar nervoso. É muito intenso”, diz, ao comentar que longos períodos são feitos para serem quebrados.

Sônia Braga lê o roteiro de 'Aquarius', novo filme de Kleber Mendonça Filho (Foto: Divulgação) Cineasta de ‘O Som ao Redor’ acredita que película

é mais forte que anterior por ter uma única

protagonista forte, interpretada por Sonia Braga

(Foto: Divulgação)

“O Brasil tem uma história em Cannes com grandes diretores como Cacá Diegues e Hector Babenco. Que bom que a hora foi essa. A minha relação com o filme foi muito forte. Preciso de forças para enfrentar Cannes, que é uma arena mundial”.

Comparando com “Som ao Redor”, o diretor avalia que “Aquarius” é muito mais intenso que a primeira película, por apresentar uma protagonista que acaba concentrando toda energia que move o filme.

“No ‘Som ao Redor’, havia vários personagens. Nesse, fica mais em cima de Clara [Sonia Braga]. Ela [personagem] é uma mulher forte que tem que lidar com as investidas de uma construtora, que promove uma guerra fria contra ela. Eles querem demolir o Aquarius para construir um prédio de 40 andares, mas Clara atrasa isso”, conta, ao comentar a eterna disputa entre o histórico e o moderno.  

Erguido nos anos 30 do século passado, o Edifício Caiçara, na orla do Pina, na Zona Sul do Recife, foi a inspiração de Kleber. Entretanto, sua demolição acabou impossibilitando o diretor de realizar as filmagens na locação tão desejada. “As pessoas reagiram [ao processo de demolição] de uma forma muito forte e emotiva, mas imagina para mim que não só perdi um prédio, mas uma referência e símbolo de modificação que representava o que era a praia de antigamente. Uma construção histórica. Foi muito duro para mim”, desabafou. O edifício Caiçara foi demolido no dia 7 deste mês.

Com isso, as cenas tiveram que ser rodadas em um prédio com características bem parecidas com as do Caiçara. O Oceania fica a, aproximadamente, 200 metros da área, onde antes havia, majestosamente, a construção do século passado.

saiba mais

 

Deixe uma resposta