Filme argentino ‘Relatos selvagens’ completa um ano em cartaz em SP

“Relatos selvagens”, filme argentino que reúne histórias de vingança vividas por personagens fora do controle, completou um ano em cartaz no cinema, com sessões diárias.

saiba mais

Desde 23 de outubro de 2014, o longa do diretor Damian Szifrón, estrelado por Ricardo Darín, é exibido em uma sala do Belas Artes, no bairro da Consolação, em São Paulo.

“Algum amigo já te disse ‘tem um filme legal aí’ e duas semanas depois você pensou em ir e já não tinha mais? Quando eu percebo que um filme tem um potencial de boca a boca, que esteja dando um certo público, eu resolvo apostar e dar uma chance ao filme. Às vezes ele está tendo um resultado médio, mas eu o seguro em cartaz”, afirma André Sturm, diretor de programação do Belas Artes, ao G1.

Filme francês ‘Medos privados em lugares públicos’ ainda é campeão de longevidade. Ficou três anos em cartaz em SP

Segundo a Rentrak Brasil, “Relatos selvagens” foi visto até o momento por cerca de 445 mil pessoas, acumulando R$ 2,6 milhões de bilheteria. O público registrado apenas no Belas Artes até o dia 18 de outubro é de 37.508 pessoas.

Até o fim do ano

“Na minha opinião, ‘Relatos’ é o melhor filme de 2014. É uma lição de cinema. Tem um roteiro extraordinário. Cada vez que você assiste ao filme você percebe uma coisa nova na história, mais uma ironia ou provocação. O fato de serem várias histórias que tratam de vingança que, inevitavelmente, qualquer pessoa se identifica com alguma delas. Isso conquistou o público”, diz Sturm, que quer segurar o filme em cartaz pelo menos até o fim deste ano.

Erica Rivas em 'Relatos selvagens' (Foto: Divulgação)Erica Rivas em ‘Relatos selvagens’ (Foto: Divulgação)

“O filho da noiva” (2001), “As bicicletas de Belleville” (2003), “2046 – Os segredos do amor” (2004), “Pequena Miss Sunshine” (2006), e “Elsa e Fred” (2014) também atingiram a marca de um ano em cartaz no Belas Artes. Todos eles são estrangeiros. “Quem sabe o filme da Anna Muylaert [‘Que horas ela volta?’] não caminha para isso? O anterior dela, ‘É proibido fumar’, ficou, se não me engano, por quatro meses”, recorda Sturm.

Mas o campeão de longevidade no cinema de rua é “Medos privados em lugares públicos”, do diretor francês Alan Resnais, que ficou mais de três anos em cartaz. Ele foi exibido diariamente desde a sua estreia em julho de 2007 até janeiro de 2012, um pouco antes do fechamento do Belas Artes.

Blockbustar na Argentina

Na Argentina, “Relatos selvagens” fez 3 milhões de espectadores, alcançando o patamar de blockbuster do país. O filme também participou da seleção oficial do Festival de Cannes em 2014, foi escolhido para representar a Argentina no Oscar deste ano e também abriu a edição passada da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo.

Alcançaram um ano:

– “O filho da noiva” ficou de outubro de 2002 a novembro de 2003;

– “Elsa e Fred” ficou de junho de 2006 a maio de 2007;

– “2046” ficou de janeiro de 2006 a janeiro de 2008;

– “As bicicletas de Belleville” ficou de maio de 2004 a abril de 2005.

17/05 – A partir da esquerda: os atores argentinos Ricardo Darín, Erica Rivas e Oscar Martinez lançam 'Relatos salvajes' no Festival de Cannes (Foto: Loic Venance/AFP)Os atores argentinos Ricardo Darín, Erica Rivas e Oscar Martinez lançam ‘Relatos selvagens’ no Festival de Cannes, em 2014 (Foto: Loic Venance/AFP)

 

Deixe uma resposta