Oliver Sacks, médico autor de ‘Tempo de despertar’, morre aos 82 anos

O neurologista e escritor best-seller britânico Oliver Sacks morreu aos 82 anos neste domingo (30), vítima de câncer, informa o  jornal “The New York Times”, que o descrevia como “o aclamado poeta da medicina moderna”. O autor de livros de sucesso como “Tempo de despertar” (1973), adaptado para o cinema em 1990 com Robin Williams e Robert De Niro, “O homem que confundiu sua mulher com um chapéu” (1985) e “Um atropólogo em Marte” (1995) estava em sua casa, em Nova York.

saiba mais

Em fevereiro, Sacks havia revelado seu estado terminal em um artigo publicado na seção de opinião do “New York Times”. “Há um mês pensava que estava bem de saúde, inclusive muito bem”, escreveu na época. “Mas a minha sorte acabou. Umas semanas atrás soube que tenho várias metástases no fígado.”

No texto, contou que havia sido diagnosticado e tratado, nove anos antes, de um raro melanoma que o deixou cego de um dos olhos, mas que recentemente tinha se tornado parte do “desafortunado 2%” dos pacientes nos quais esse tipo particular de câncer se expande.

Obras

Em “Tempo de despertar”, Sacks faz um relato autobiográfico em que conta sua experiência com pacientes que sofrem de uma condição chamada encefalite letárgica. Narra também como, a partir da administração de um remédio de uso controverso, chamado levodopa, os doentes conseguiram sair, pelo menos brevemente, de seus estados catatônicos.

A história foi adaptada em um filme homônimo em 1990, protagonizado por Robin Williams, no papel do médico, e Robert De Niro, no papel de um paciente. O longa teve três indicações ao Oscar.

Em “O homem que confundiu sua mulher com um chapéu”, Sacks contou histórias de casos de várias condições neurológicas raras. Em outros livros explorou a surdez, o daltonismo e as alucinações.

O neurocientista e escritor Oliver Sacks em foto quando jovem, em Londres (Foto: Divulgação/Site oficial)O neurocientista e escritor Oliver Sacks em foto

quando jovem, em Londres

(Foto: Divulgação/Site oficial)

Autobiografia

Oliver Sacks nasceu em 1933, em Londres, em uma família de médicos e cientistas (a mãe era cirurgiã e o pai, clínico geral). Sacks formou-se em medicina em Oxford e depois se mudou para os Estados Unidos para fazer residência em São Francisco, na University of California (UCLA). Morava em Nova York desde 1965, onde trabalhou como neurologista.

Foi professor de neurologia e psiquiatria da Universidade de Columbia entre 2007 e 2012. Nos últimos anos, foi professor de neurologia da faculdade de medicina da New York University.

Em abril deste ano, Sacks lançou sua autobiografia, publicada no Brasil em julho com o título “Sempre em movimento – Uma vida” (Companhia das Letras). Em suas memórias, o autor e neurocientista fala de sua carreira como médico e também sobre a homossexualidade e o vício em drogas na juventude.

Clique aqui para ler trecho de ‘Sempre em movimento’.

“Quando eu tinha 12 anos, um professor bastante perspicaz anotou no seu relatório: ‘Sacks vai longe, se não for longe demais’, coisa que acontecia com frequência”, escreve. “Quando menino, muitas vezes eu ia longe demais nas minhas experiências químicas, enchendo a casa com gases tóxicos; por sorte, nunca incendiei o lugar.”

No trecho em que lembra quando, no final da adolescência, conversou com o pai sobre o fato de ser gay, Sacks diz que pediu pediu segredo. “Mas meu pai contou e, na manhã seguinte, ela [a mãe de Sacks] desceu de cara muito fechada, uma cara que eu nunca tinha visto antes. ‘Você é uma abominação’, disse ela. ‘Quisera que você nunca tivesse nascido.’ Então saiu e passou vários dias sem falar comigo. Quando voltou a falar, não houve nenhuma menção ao que ela dissera (e nunca mais voltou ao assunto), mas alguma coisa mudara entre nós. Minha mãe, tão aberta e que me dava tanto apoio de inúmeras maneiras, era dura e inflexível nessa área.”

Sinto-me grato por ter tido nove anos de boa saúde e produtividade desde o diagnóstico original, mas agora estou de cara com a morte. Depende de mim escolher como quero viver os meses que me restam. Tenho que viver da maneira mais rica, profunda e produtiva que puder”
Oliver Sacks

Artigo no ‘New York Times’

Pouco antes de lançar “Sempre em movimento”, no artigo do “New York Times”, Sacks escreveu: “Sinto-me grato por ter tido nove anos de boa saúde e produtividade desde o diagnóstico original, mas agora estou de cara com a morte”.

“Agora depende de mim escolher como quero viver os meses que me restam. Tenho que viver da maneira mais rica, profunda e produtiva que puder.”

No ensaio, disse: “Escrevi, viajei, pensei e escrevi. Eu me vinculei com o especial mundo dos leitores e dos escritores. Tenho outros livros quase terminados”.

Sobre o tempo que lhe restava, adiantou que não veria notícias nem prestaria mais atenção nas polêmicas politícas ou no calendário climático.

“Isto não é indiferença, mas desapego. O Oriente Médio continua importando muito para mim, o aquecimento, a crescente desigualdades, mas estes já não são mais meus problemas. Pertencem ao futuro.”

O professor de neurologia da Universidade de Columbia, Oliver Sacks (Foto: Luigi Novi/Wikicommons)O escritor best-seller e neurologia britânico Oliver Sacks (Foto: Luigi Novi/Wikicommons)

Deixe uma resposta