Líder do Slipknot critica fãs que não largam celular: ‘Vou molhar e estragar’

A banda Slipknot (Foto: Divulgação)A banda Slipknot (Foto: Divulgação)

Máscaras de terror, explosões e saltos suicidas são menos assustadores que outro elemento que o Slipknot promete levar ao Rock in Rio: garrafinhas d’água. Essa é a arma que Corey Taylor cita, em entrevista ao G1, para combater fãs que “enterram a cabeça no celular” e se esquecem de olhar para a banda. “É aí que digo: ‘Preciso de quatro garrafas de água e vou fazer o melhor que eu puder para molhar e estragar seu telefone'”, diz Taylor.

 

ROCK IN RIO 2015
Festival será em setembro no Rio

Não é por acaso que o vocalista encarna um “garoto enxaqueca” em entrevistas recentes. Ele lança seu terceiro livro, “You’re making me hate you”, sobre coisas que o irritam. Além dos viciados em celular (“ficam tuitando as coisas mais estúpidas sem parar”), ele também ataca o pop atual: “É tudo igual. Fico totalmente puto.” A pior música, para ele, é “Shake it off”, de Taylor Swift. Ele toma o celular dos filhos (sem molhar) para não ter que ouvir a loira.

No seu trabalho principal, de líder do Slipknot, ele toca na Arena Anhembi, em São Paulo, no dia 27 de setembro. Dois dias antes rola o show no Rock in Rio. A banda toca depois dos veteranos do Faith no More. Alguns fãs questionaram a ordem. “É surreal tocar depois deles”, diz Corey. Leia abaixo a entrevista:

G1 – O Faith no More te influenciou? Como é ter eles abrindo para vocês, que fazem o show de encerramento da noite?

Corey Taylor –
Amo Faith no More. Comprei o disco novo assim que saiu. Respeito o jeito deles de lidar com música e arte. A banda ao vivo é única. Mal posso esperar para ver o show no Rock in Rio – espero que consiga, ao menos um pedaço. É surreal tocar depois deles. Se alguém me dissesse isso quando eu era mais novo eu ia cair na gargalhada. “Não, isso nunca vai acontecer”, eu ia dizer. Claro que é uma honra absoluta. Espero mostrar o quanto eles nos inspiraram.

G1 – A principal diferença entre os shows de agora e o de 2013 é o disco ‘The grey chapter’ (2014). O que elas acrescentam ao show?

Corey Taylor –
  O legal é que as músicas novas se encaixaram muito bem com as antigas. Talvez tenha a ver com o espírito das composições, que contam a história da perda do Paul [Gray] e como nos juntamos para seguir em frente. Por sorte muitas das músicas novas foram abraçadas pelos fãs, então foi fácil juntá-las às antigas que todos querem ouvir.

Corey Taylor (Foto: Raul Zito/G1)Corey Taylor (Foto: Raul Zito/G1)

G1 – Como é ter que lembrar da perda do Paul Gray toda noite no palco?

Corey Taylor –
Tem sido pesado e emotivo. Mas ao longo do tempo, o show se torna menos sobre perda e tristeza e mais sobre levar em frente o espírito e a memória dele. Ele amava fazer música e tocar com essa banda [o baixista morreu por overdose em 2010]. De certa forma, o álbum é a história de como passamos por isso. Tocar essas músicas é um jeito de e celebrar o fato de que pudemos ser irmãos por um tempo.

saiba mais

G1 – Outro trabalho novo seu é o livro ‘You’re making me hate you’, sobre ‘coisas odiáveis’. Você fica irritado com fãs que só ficam tirando selfies e fotos do palco?

Corey Taylor – 
Às vezes sim, depende do meu humor – que é instável (risos). Quando estou bem, finjo que estou fazendo poses, tento me divertir. Pois esse é o mundo em que vivemos agora. O mundo da gratificação tecnológica instantânea. Não é que eu odeie a tecnologia. Mas eu odeio o fato de as pessoas não pensarem por si mesmas, e jogarem essa toalha para os computadores.

Uma coisa é usar um telefone para se manter informado. Outra é enfiar a cara no telefone o tempo todo e ficar só tuitando as coisas mais estúpidas sem parar. Você está perdendo sua vida! Olhe para frente e veja onde você está, aproveite o fato de estar aqui. Esse é meu problema com a tecnologia.

Quando as pessoas tiram uma foto ou outra no show não me incomodam. Mas quando vejo as caras deles enterradas no telefone logo na primeira fila, e eles ficam bitolados, mais interessados em filmar o show do que aproveitar, é aí que eu digo: “Preciso de quatro garrafas de água e vou fazer o melhor que eu puder para molhar e estragar seu telefone”.

Corey Taylor Slipknot (Foto: Flavio Moraes / G1)

G1 – As duas noites seguintes à sua no Rock in Rio vão ter Rihanna e Katy Parry, e uma escalação mais pop. Você vai ficar para ver?

Corey Taylor – 
Provavelmente não (risos). Não mesmo. Não é que eu seja contra elas, mas minha onda na música é outra. Prefiro passear, fazer outra coisa.

G1 – Você tem criticado a música pop atual. O que te incomoda mais: a sonoridade mudada e corrigida por computadores ou as letras, sempre festivas, eufóricas?

Corey Taylor –
Os dois. O maior problema é que essas músicas todas parecem que foram feitas pela mesma pessoa. E muitas foram mesmo! É um grupinho de compositores em Los Angeles que faz todas essas canções pop. Todas com a mesma melodia. As pessoas não percebem, e isso me enlouquece. Você pode literalmente mudar os nomes dos artistas e ninguém ia notar a diferença. É tudo igual: o tom, as letras, o jeito de gravar. Fico totalmente puto. Não tenho nada contra o gênero pop em si – eu ficaria de boa se as músicas não fossem tão ruins.

Taylor x Taylor (Foto: Divulgação)

G1 – E entre essas músicas, qual é a pior, a que mais te irrita?

Corey Taylor –
  Eu tenho que dizer que aquela música da Taylor Swift, “Shake it off”, me tira do sério. Eu fico louco, não posso aguentar. Meus filhos colocam para tocar no telefone e eu tomo da mão deles. Falo: “Não! Não! Não! Eu não vou ouvir isso!” Essa música me irrita muito.

G1 –  Você disse que, ao contrário de astros pop, ‘dá sangue’ pela música. É literal?

Corey Taylor – 
Quando você faz as coisas como o Slipknot, há sempre o risco de algo acontecer. Você está tão louco que pode cruzar o palco e tropeçar em algo, coisa assim. É sempre um problema, um perigo de se machucar, mas vale a pena. Porque essa é nossa vida, não nossa profissão, um jeito de ganhar mais dinheiro. É disso que precisamos para nossa alma. E se eu me ferir tentando alimentar minha alma, que seja.

G1 – Como descreve o show do Slipknot para quem verá pela 1ª vez no Rock in Rio?

Corey Taylor – 
O único jeito de descrever é “um maravilhoso caos”. Há uma energia insana, movimentos loucos, fogo, rampas e principalmente música. Uma coisa é ter o cenário especial e não as músicas. Outra é ter só canções boas sem um palco direito. Por sorte, temos os dois. Meu objetivo sempre é que cada pessoa saia de lá dizendo que acabou de ver o show mais incrível de sua vida.

Corey Taylor, do Slipknot, manda recado a Kanye West: 'Você não é o maior rockstar de todos tempos. Pare!' (Foto: Reprodução/YouTube/Music Choice)Corey Taylor, do Slipknot (Foto: Reprodução/YouTube/Music Choice)

Deixe uma resposta