Amado Batista grava DVD de 40 anos de carreira em show em Brasília

Cantor Amado Batista (Foto: Divulgação/Assessoria )O cantor Amado Batista, que grava DVD em comemoração aos 40 anos de carreira em show em Brasília (Foto: Assessoria/Divulgação)

Amado Batista conheceu Brasília em 1972, quando foi preso político durante a ditadura militar, por ser amigo de pessoas que frequentavam um espaço em Goiânia onde se falava em Marx e Che Guevara. Mais de quatro décadas depois, ele volta ao Distrito Federal para comemorar 40 anos de carreira com a gravação de um DVD. O registro será feito durante show no Bamboa nesta sexta-feira (21), em evento que começa às 21h.

saiba mais

O show terá dois momentos. No primeiro, Amado vai gravar as músicas que vão entrar no DVD. São 20 no total, sendo 17 sucessos e três músicas inéditas. Mas mesmo as músicas já gravadas não serão as mais tocadas, como “Princesa”, “Amar amar”, “Chance”, “Meu ex-amor”, “Menininha meu amor” e “Amor perfeito (Fruto do nosso amor)”.

“Tenho 364 músicas gravadas, tive que optar. Vou fazer o show com as músicas que me pedem, mas que não canto com tanta frequência. Escolhi 17 e peguei mais três que nunca tinha gravado. São essas que estarão no DVD”, afirma Amado.

Apesar de não entrarem no material, alguns dos maiores sucessos estarão na segunda parte do show. O cantor diz que o público merece ouvir as músicas mais conhecidas, mas que não faz sentido registrá-las no novo trabalho porque já estão em gravações anteriores. “‘Princesa’, por exemplo, já gravei em outro DVD. Eu quero oferecer algo novo ao meu público.”

O cantor Amado Batista (Foto: Divulgação)O cantor Amado Batista (Foto: Divulgação)

Amado Batista revela algumas das músicas que estarão na primeira parte do show. “Tá com raiva de mim”, “Borboletas”, “Acorde amor (8º andar)”, “Vitamina e cura” são algumas das 17 escolhidas.

As três inéditas são “A pé na estrada”, que já foi gravada por Milionário e José Rico, o axé “Peão de obra” e “Eu sou igualzinho a você”, escrita pelo compositor Elias Wagner, o único que fará participação no DVD.

“Ele é um cadeirante do Espírito Santo, um excelente compositor. A música conta a história de uma menina que se interessa por ele, mas acha estranho ele estar na cadeira de rodas. Aí ele diz ‘eu sou igualzinho a você’.”

De volta a Brasília

A capital federal foi escolhida para registrar a data por acaso, a convite de um radialista do DF. “Comentei que queria gravar o DVD e ele disse ‘por que você não grava em Brasília? Tem uma casa nova que abriu há pouco tempo. Você vai gostar’. E aí deu certo.”

Do período de prisão ele diz não guardar ressentimento, embora considere a “pior experiência da vida”. Amado define o mês que passou na Papuda, onde foi torturado, como um “acidente de percurso” e diz ter carinho por Brasília, uma das primeiras cidades onde afirma ter feito sucesso.

Eu era amigos dos intelectuais que iam lá em Goiânia. Todos iam lá bater papo, tinha lançamento de livros. Eu nem sabia que eles faziam essas reuniões, passavam vídeos do Che Guevara. Até provar que eu não tinha nada a ver com aquilo foram dois meses. Fiquei um mês em Goiânia e mais um mês em Brasília. Nessa época era aí [no DF] que levavam o pessoal para abrir o bico”
Amado Batista,

cantor

“Eu era amigos dos intelectuais que iam lá em Goiânia. Todos iam lá bater papo, tinha lançamento de livros. Eu nem sabia que eles faziam essas reuniões, passavam vídeos do Che Guevara. Até provar que eu não tinha nada a ver com aquilo foram dois meses. Fiquei um mês em Goiânia e mais um mês em Brasília. Nessa época era aí [no DF] que levavam o pessoal para abrir o bico.”

Carreira de sucesso

Amado Batista celebra 40 anos de sucesso em 2015. Durante o período foram mais de 35 milhões de cópias vendidas de seus 30 discos. A vontade de ser cantor veio ainda na infância.

“Um amigo do meu irmão apareceu com uma gaita. Eu nem imaginava que seria músico. Era um sonho tão distante, que eu já tinha desistido”, diz Amado. Já adulto, ele se tornou proprietário de uma loja de discos, que acabou sendo porta de entrada para o mercado musical.

“A loja aproximou. Eu conheci os representantes das gravadoras, conheci o dono da gravadora Chororó, representante do estado de Goiás. Aí ele convidou. ‘Não quer gravar?’. Eu falei ‘mas você vai deixar eu gravar o disco como eu quero?’. E foi assim que começou.”

Basso fez os arranjos dos primeiros sucessos de Amado Batista (Foto: Fernando Basso/Arquivo pessoal)Amado Batista com o maestro Otávio Basso (à direita, de óculos), responsável pelos arranjos dos primeiros sucessos do cantor, que completa 40 anos de carreira (Foto: Fernando Basso/Arquivo pessoal)

Fã de Beatles, de Roberto Carlos e da Jovem Guarda, ele criou um estilo popular com letras de amor e melodias fáceis, muitas vezes misturando elementos do forró e do sertanejo. O rótulo de brega ele não aceita.

“Todo ser humano é romântico. Qual o problema? Alguém admira mas se não disserem que é bom ele fica meio com vergonha. Mas todo mundo gosta. Você vê Roberto Carlos, Paul McCartney, até hoje eles lotam estádios, agradam com a música popular.”

 

Adoro cantar. Se as pessoas não me quiserem mais, vou cantar para os meus amigos, em casa. Mas vou cantar até o fim”
Amado Batista,

cantor

O cantor também diz que nunca precisou fazer concessão sobre sua arte, que sempre gravou o que quis, do modo que desejou. “Sempre muito livre. Nunca tive ninguém me dizendo ‘tem que gravar isso’. Fazia do jeito que queria.”

O modo de fazer música continua o mesmo, ele garante. O que mudou foi só a tecnologia, diz ele ao lembrar que no começo da carreira as canções eram gravadas em apenas dois canais. O instrumental ficava em um, já mixado, e a voz ficava em outro.

“Agora tem mais canais, mas acho que gasto a mesma coisa [de tempo] para gravar. O que tem agora é a experiência. tenho mais praticidade para explicar para os músicos o que eu quero”, diz Amado, que se declara perfeccionista. “Ninguém toca uma nota se eu não estiver no estúdio.”

O músico também mantém amizade com outros artistas. Jerry Adriani, Ângelo Máximo e Odair José está entre os “mais constantes”, como ele diz. “Mas sou amigo também do pessoal dos Titãs, do Skank, Zezé Di Camargo, Bruno & Marrone, Netinho de Paula”.

O cantor Amado Batista, que grava DVD em show em Brasília nesta sexta (21) (Foto: Divulgação)O cantor Amado Batista, que grava DVD em show em Brasília nesta sexta (21) (Foto: Divulgação)

Com quatro décadas de estrada e 64 anos de vida, Amado Batista não vê fim para a carreira. Ele afirma gostar da natureza e de exercícios físicos, gosta de nadar em rios e de pedalar – tem 16 bicicletas espalhadas por suas propriedades em Goiás, São Paulo e Mato Grosso, onde construiu uma ciclovia de 2,5 km.

Amado diz que vai continuar a fazer música enquanto puder, mesmo que o sucesso desapareça. “Adoro cantar. Se as pessoas não me quiserem mais, vou cantar para os meus amigos, em casa. Mas vou cantar até o fim.”

Amado Batista – gravação de DVD de 40 anos de carreira

Local: Bamboa Brasília

Endereço: Setor Hípico – Área especial – Conjunto 22 (em frente ao Zoológico)

Horário: 21h

Informações: (61) 3334-4450 / 9966-6963

Deixe uma resposta