Tapete vermelho atrai fãs na noite da premiação do Festival de Gramado

Mariana Ximenes foi uma das mais assediadas no tapete vermelho (Foto: Rafaella Fraga/G1)Mariana Ximenes foi uma das mais assediadas no tapete vermelho (Foto: Rafaella Fraga/G1)

Dezenas de fãs se aglomeraram em frente ao tapete vermelho, por onde passam os artistas que participam do Festival de Cinema de Gramado em direção ao Palácio dos Festivais. O evento realizado na Serra do Rio Grande do Sul chega ao fim neste sábado (15)  com solenidade de premiação.

Argentino Michel Noher posa para fotos com fãs em Gramado RS (Foto: Rafaella Fraga/G1)Argentino Michel Noher posa para fotos com fãs

em Gramado Foto: Rafaella Fraga/G1)

O frio não veio, mas a neblina deixa o clima com mais “cara” de Gramado. Sob uma temperatura de cerca de 17ºC, bares e restaurantes da Rua Coberta ficaram lotados desde a metade da tarde. Perto da grade, ao redor do tapete vermelho, o público se amontoa para tentar espiar quem passa por ali.

Uma das primeiras celebridades a passar foi o ator argentino Michel Noher, integrante do elenco do filme equatoriano “Ochentaisiete”. Noher passou discretamente, mas foi chamado por alguns fãs que pediram fotos.

Bete Mendes, que está no filme “Introdução à Música do Sangue”, de Luiz Carlos Lacerda,  também foi uma das primeiras a chegar. Entre os mais assediados, estão Mariana Ximenes e Vladimir Brichta, membros do elenco de “Um Homem Só”. 

Os vencedores da edição de 2015 do Festival de Cinema de Gramado serão conhecidos na noite deste sábado (15). Serão distribuídos kikitos e troféus para os ganhadores das categorias divididas em longas-metragens nacionais, estrangeiros e curtas brasileiros.

saiba mais

Serviço

43ª Festival de Cinema de Gramado

Data: De 7 a 15 de agosto

Onde: Palácio dos Festivais (Av. Borges de Medeiros, 2697)

Quanto: De R$ 30 (sessão) a R$ 100 (premiação)

Longa-metragem nacional

“Ausência”, de Chico Teixeira (SP)

“Introdução à Música do Sangue”, de Luiz Carlos Lacerda (RJ)

“O Fim e os Meios”, de Murilo Salles (RJ)

“O Outro Lado do Paraíso”, de André Ristum (DF)

“O Último Cine Drive-In”, de Iberê Carvalho (DF)

“Ponto Zero”, de José Pedro Goulart (RS)

“Um Homem Só”, de Cláudia Jouvin (RJ)

Longa-metragem estrangeiro

“Ella”, de Libia Stella Gómez (Colômbia)

“En La Estancia”, de Carlos Armella (México)

“La Salada”, de Juan Martin Hsu (Argentina)

“Ochentaisiete”, de Anahi Hoeneisen e Daniel Andrade (Equador)

“Presos”, de Esteban Ramírez Jímenez (Costa Rica)

“Venecia”, de Kiki Alvarez (Cuba)

“Zanahoria”, de Enrique Buchichio (Uruguai)

Curta-metragem nacional

“Bá”, de Leandro Tadashi (SP)

“Como São Cruéis os Pássaros da Alvorada”, de João Toledo (MG)

“Dá Licença de Contar”, de Pedro Serrano (SP)

“Enquanto o Sangue Coloria a Noite, Eu Olhava as Estrelas”, de Felipe Arrojo Poroger (SP)

“Haram”, de Max Gaggino (BA)

“Heroi”, de Pedro Figueiredo (SP)

“Macapá”, de Marcos Ponts (MA)

“Miss & Grubs”, de Camila Kamimura e Jonas Brandão (SP)

“Muro”, de Eliane Scardovelli (SP)

“O Corpo”, de Lucas Cassales (RS)

“O Teto Sobre Nós”, de Bruno Carboni (RS)

“Quando Parei de Me Preocupar Com Canalhas”, de Tiago Vieira (SP/GO)

“S2”, de Bruno Bini (MT)

“Sêo Inácio (ou O Cinema Imaginário)”, de Helio Ronyvon (RN)

“Virgindade”, de Chico Lacerda (PE)

Deixe uma resposta