Angelina Jolie e Aung San Suu Kyi encontram trabalhadoras em Mianmar

A atriz americana Angelina Jolie, enviada especial da ONUx, e a líder opositora Aung San Suu Kyi se reúnem neste sábado (1º) com funcionárias birmanesas da indústria têxtil para conversar sobre as condições de trabalho, em um dos países mais pobres da Ásia (Foto: Ye Aung Thu/AFP)A atriz americana Angelina Jolie, enviada especial da ONUx, e a líder opositora Aung San Suu Kyi se reúnem neste sábado (1º) com funcionárias birmanesas da indústria têxtil para conversar sobre as condições de trabalho, em um dos países mais pobres da Ásia (Foto: Ye Aung Thu/AFP)

A atriz americana Angelina Jolie, enviada especial da ONU, e a líder opositora Aung San Suu Kyi se reuniram neste sábado (1º) com funcionárias birmanesas da indústria têxtil para conversar sobre as condições de trabalho, em um dos países mais pobres da Ásia.

Angelina Jolie se reuniu primeiro com Aung San Suu Kyi na residência da líder política em Yangun. Depois, as duas seguiram para uma localidade da periferia oeste da capital econômica do país.

Dezenas de pessoas se reuniram para receber a dupla, perto da residência das trabalhadoras. Angelina Jolie e Aung San Suu Kyi conversaram com elas sobre as condições de trabalho e também sobre educação, segundo um comunicado publicado no Facebook pelo partido da líder opositora, a Liga Nacional pela Democracia (LND).

A atriz americana, enviada especial da Agência das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), está em Mianmar desde quarta-feira, a convite de Suu Kyi, vencedora do Nobel da Paz, que será candidata nas eleições legislativas de novembro, consideradas decisivas para o futuro democrático do país.

Angelina Jolie também se encontrou durante a viagem com o presidente Thein Sein na capital Naypyidaw.

A atriz americana Angelina Jolie, enviada especial da ONU, chega para visitar trabalhadoras da indústria têxtil em Mianmar neste sábado (1º) (Foto: Soe Zeya Tun/Reuters)A atriz americana Angelina Jolie, enviada especial da ONU, chega para visitar trabalhadoras da indústria têxtil em Mianmar neste sábado (1º) (Foto: Soe Zeya Tun/Reuters)

Deixe uma resposta